Avaliação de seco agulhamento e 0,5% lidocaína injeção terapias em pontos de gatilho miofascial dor nos músculos mastigatórios

0
434

Avaliação de seco agulhamento e 0,5% lidocaína injeção terapias em pontos de gatilho miofascial dor nos músculos mastigatórios

 

Renato Oliveira Ferreira da Silvaeu; Paulo César Rodrigues ContiII; De Carlos Reis Pereira AraújoIII; Dos Rafael Santos SilvaIV

Eu Doutorado em Reabilitação Oral, faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo
II Professor associado do departamento de prótese e periodontia, faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo
III PhD e Professor, departamento de prótese e periodontia, faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo
IV Doutorado em Reabilitação Oral, faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo

Endereço de contato

 

 


RESUMO

OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi comparar a eficácia das injeções de pontos de gatilho usando lidocaína 0,5% e secar agulhamento sem qualquer tipo de programa de reabilitação baseado em casa.
MÉTODOS: Dezesseis pacientes com pontos de dor e gatilho miofascial nos músculos mastigatórios foram aleatoriamente em dois grupos e receberam sessão de uma única aplicação. O limiar de dor de pressão (PPT) foi gravado antes e após a injeção: dez minutos, 24 horas depois, 7, 15, 21 e 30 dias após o tratamento. Escala visual analógica (VAS) foi usada para em todos os períodos de avaliação.
RESULTADOS: Não havia nenhuma diferença entre grupos para PPT, mas para todos os grupos o PPT durante o tempo aumentou significativamente quando comparado a antes do tratamento. VAS a existência de diferenças entre grupos e durante o tempo. A lidocaína 0,5% tiveram os menores valores VAS, quando comparado com agulhamento seco, mas em 30 dias, não havia diferenças entre eles.
CONCLUSÕES: Apesar das diferenças de VAS e considerando lá não houve diferenças em aumentos PPT, concluiu-se que, neste estudo, ambos os grupos foram capazes de romper os mecanismos do ponto do disparador e aliviar os sintomas de dor miofascial.

Palavras-chave: Dor miofascial. Ponto de disparo. Terapias de acupuntura.


 

 

INTRODUÇÃO

As desordens miogênico têm características tais como a sensibilidade de dor (MP) muscular, movimento limitado, fraqueza, entre outros. Estas alterações podem ser reações de mudanças não se originam nos músculos, o processo que realmente se originou na musculatura mastigatória e cervical. 27

Uma das condições que afetam os músculos e ter uma alta prevalência é a dor miofascial (MFP). Este processo doloroso é originado nos pontos da musculatura e devido a fatores locais e sistêmicos, causar dor muscular em ambos estes pontos e estruturas distantes. 6 a ternura de local do músculo que desencadeia o processo de dor à distância é chamada de ponto gatilho (TP). A dor faz com que em outras regiões é chamada de dor referida (RP), que pode se manifestar em outros músculos, dentes, gengivas, articulação temporomandibular (ATM) e as orelhas. 6,9,21

A sensibilidade do músculo é um importante sinal clínico, presente na maioria dos pacientes com algum tipo de distúrbio da articulação temporomandibular (DTM), atingindo uma frequência de 88,7%. 21 na literatura, essa sensibilidade é referida como o limiar de dor de pressão (PPT) para ser, mais especificamente, o ponto em que um paciente se sente que o aumento da pressão se torna a sensação desagradável de dor. 5 para avaliar a sensibilidade do músculo, o método de palpação tem sido usado manualmente ou com o auxílio de um algometer. 4,24,29 estudos que demonstram a aplicação de algometers para determinar o PPT mostram que estes dispositivos são fontes confiáveis e os resultados estão em excelente reprodutibilidade é bom e, portanto, uma ferramenta útil para avaliar a condição inicial do paciente e também o progresso do tratamento. 13,17 o termo MP adquiriu dois significados. Um deles é a dor muscular regional associada com sensibilidade muscular de acordo com os critérios diagnósticos de pesquisa (RDC / TMD) e o outro sobre o MP causada por TP, que consistem de uma irritabilidade muscular hiper focal.

Estudos concluíram que o algometer confiável pode quantificar e medir a sensibilidade do TP e a ponta ativa do algometer é importante porque se não é o tamanho correto, pode levar a uma má interpretação e consequente aumento da leitura de valores. 5,22

Outro estudo determinou uma pressão capaz de estimular resposta de dor em pacientes com sinais e sintomas consistentes com DTM, quando comparado ao grupo controle. Mulheres em ambos os grupos foram palpadas por um único examinador sobre os seguintes pontos: corpo dos masséteres, anterior temporal, temporal e posterior temporal do meio. Obtivemos uma especificidade de 90,8% para valores PPT de 1,5 kg/cm2 para o masseter, 2,47 para o anterior temporal kg/cm2, 2,75 kg/cm2 para 2,77 kg/cm2 e meio temporal para momento posterior.Os autores concluíram que palpação revelou-se um teste confiável para a detecção de sensibilidade muscular em pacientes de DTM. 24

Sobre o tratamento de pontos gatilho, existem vários estudos sobre a eficácia de cada um, lidando apenas com o agulhamento, injeção de anestésicos, injeção de corticosteroides e injeção botulínica. Relatos de sucesso variam e podem ou não ser remissão completa dos sinais e sintomas. Quando isso acontece, alguns fatores podem estar associados, tais como a contração muscular local resposta (LTR) durante o agulhamento e o subsequente aumento em PPT8,12,15,16 para resumir, os estudos concluem que as substâncias injetadas parecem ter um papel na remissão dos sintomas do MP, sempre sugerindo um tratamento mais conservador e menos dispendioso para o paciente. 2,7,10,14

Devido a estes fatores, este estudo pretende comparar, usando seco algometry e escala de análise visual (VAS), a eficácia da acupuntura no tratamento de pacientes com MFP, quando comparado a agulha de injeção de solução anestésica de cloridrato de lidocaína 0,5%.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Este estudo foi aprovado pelo Comitê de ética da faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de São Paulo, sob o protocolo n º 174/2004.

Os critérios de inclusão foram destinados a excluir fatores que podem predispor à DTM. 20 também excluídos foram aqueles que apresentaram: história do facial ou trauma no pescoço, limitação de movimento na região cervical, doença periodontal ativa ou cárie dentária, não estão em conformidade com a classificação do RDC / TMD para dores musculares, fizeram uso de anti-inflamatório ou analgésico nas últimas 72 horas, sintomas sistêmicos, deficiência física ou mental; Não concordei em participar. Depois de preencher o questionário e entrevista, se as partes não apresentaram qualquer uma das condições acima, foi realizado o exame físico para o diagnóstico da DTM.

Foram coletados os dados pessoais dos voluntários, queixa principal, história de doença atual e história médica e odontológica. Eles completaram um questionário para determinar o índice de DTM, composto de 10 perguntas, o que permitiu a determinação da intensidade do quadro de uma DTM.

Resultados foram utilizados: “0” (zero) para não dor, “1” para relatório dor leve (os pacientes relatórios que dói um pouco), “2” para dor moderada (paciente responde com reflexo palpebral) e “3”para a dor severa (o paciente reage longe do rosto). Nesta fase, se o paciente foi diagnosticado com um TP no masseter ou temporal, foi realizada para preencher o formulário do RDC / TMD.

Algumas modificações para o RDC / TMD foram realizadas: substituiu a palpação do músculo pterigoideo lateral por palpação da porção profunda do masseter, devido à impossibilidade de clínica e anatômica da palpação deste músculo25,28,29 e digital pressão aplicada durante a palpação dos músculos durante o exame físico foi aproximadamente 1,5 kg para os músculos extra orais em vez de 2 libras (0,90 kg) e 1 kg em vez de 1 libra (0,45 kg) ao músculo conjunta e intra-oral. 24

Algometer foi usado pelo examinador para calibração da pressão exercida durante a palpação.

Antes de distribuir os pacientes dos grupos e início do tratamento, o VAS e o PPT foram medidos, para que os pacientes foram alocados em grupos apresentando os mesmos níveis de VAS e PPT semelhante.

Por um algometer, PPT foi quantificada antes do tratamento (linha de base). Os valores do tempo necessário para manter a pressão que causam dor referida, espaço de manifestação e VAS foram gravados.

Os grupos foram nomeados de acordo com o tipo de tratamento e registrados na forma geral do paciente:

» Grupo i: Pacientes que se submeteram a acupuntura e a injeção do anestésico lidocaína cloridrato 0,5%.

» Grupo II: Pacientes que se submeteram a agulhamento seco.

As injeções foram realizadas usando um seringas descartáveis 3 ml (BD PlastipakTM), Luer Lock® com agulhas descartáveis 0, 45 x 13 26 1/2 (BD PrecisionGlideTM). A quantidade de solução anestésica injetada foi de 1 ml.27

PPT medições foram feitas nos tempos seguintes após o agulhamento: 10 minutos, 24 horas7,15,21 e 30 dias.Um total de sete vezes de medição foram realizados. Além disso, a presença de dor referida e a área de expressão foram avaliados.

O VAS foi avaliado antes agulhamento (inicial) e depois, nos seguintes horários: 10 minutos, 24 horas, 7, 15, 21 e 30 dias.

Os pacientes excluídos da amostra, ou aqueles que ainda tinham alguns sintomas após a conclusão do estudo receberam os cuidados que eles precisam.

Todos os exames foram realizados por um único examinador. Antes dos exames, o examinador foi submetido a treinamento para familiarização com o algometer e padronização do exame em relação a taxa de aplicação de força, pre-fixado em aproximadamente 0,5 kg/cm2/s.18,23,24 esta etapa recebeu a supervisão de um profissional experiente. O examinador não era o mesmo que aplicado o tratamento e o paciente não sabia em qual grupo foi inserida.

Análise estatística

Depois de coletar os resultados aplicamos a ANOVA de duas vias, adotando um nível de significância inferior a 0,05. Se havia diferenças, nós aplicamos o teste de Tukey para detectar em que grupos lá foram as diferenças.

 

RESULTADOS

Nós examinamos 423 indivíduos, dos quais foram selecionados 20 pacientes do sexo feminino. Esses pacientes que consentir em participar deste estudo, estavam apresentando dor myofacial de acordo com RDC / TMD, com a presença de TP no músculo masseter e dor referida.

Após a divisão dos grupos, 2 desejo expressos de pacientes para não participar mais no estudo e os outros dois não apareceu nos dias designados para retornar. Um total de 16 pacientes foram divididos em dois grupos iguais.

 

LIMIAR DE DOR DE PRESSÃO

Nós aplicamos a ANOVA para determinar se houve diferenças estatisticamente significativas entre os grupos.Não houve diferença estatisticamente significativa estava presente quando se compara o PPT antes do tratamento (inicial) entre os grupos (p > 0,05). O PPT tinha uma média inicial de 1,05 kgf/cm2.

Quando o período de coleta de dados e tabulação foram terminados, nós aplicamos a ANOVA de duas vias. Não houve diferença entre os grupos, independentes do tempo (p > 0,05).

Observando a interação entre tempo, independentemente do grupo, houve uma diferença estatisticamente significativa. Em seguida, aplicou-se o teste de Tukey para comparações múltiplas entre os períodos analisados (tabela 1).

Foi encontrada diferença estatística entre o tempo antes e imediatamente após o tratamento. A mesma diferença foi apresentada entre 24 horas e 7, 14 e 30 dias e entre os dias 21 e 30 dias. Isso significa que um aumento na quantidade de pressão necessária para causar dor no local da palpação observou-se (tabela 2).

 

 

Em alguns pacientes, o processo RP não foi removido, o que significa que a estrutura TP é formada ainda. No grupo, havia dois pacientes com RP após 30 dias. No grupo II, não havia nenhum pacientes com RP.

Na avaliação de VAS, houve uma diferença estatisticamente significativa entre os grupos e times.

Para melhor compreensão, o tempo de diferença dentro de cada grupo será examinado inicialmente (tabela 3 e 4).

 

 

 

 

Na comparação entre grupos dentro de cada vez, é visto no início à média de VAS não tinha nenhuma diferença e variação significativa aconteceu entre grupos ao longo do tempo, mas, no final, não houve diferença entre os grupos I e II.

 

 

DISCUSSÃO

O valor médio obtido para o PPT antes do tratamento em pacientes com MFP no estudo foi de 1,05 kg e são parcialmente de acordo com a literatura. 5 existem estudos que apresentaram valores mais elevados, mas as áreas examinadas não eram os mesmos. No entanto, os autores argumentam que o PPT é menor do que em indivíduos assintomáticos, que concorda com nossas descobertas e também com outros estudos. 9,24 em nosso estudo, os resultados não mostram nenhuma diferença estatisticamente significante entre os grupos I e II.Esses achados não são novos, se buscarmos alguns resultados na literatura. Estudos concluem os mesmos resultados podem ser satisfatórios mesmo mudando a substância injetada, mas estas não foram realizadas na musculatura mastigatória. 8,12,14,26

Em uma revisão sistemática,2 verificou-se que não importa a natureza da substância injetada no resultado final.Agulhamento seco é tão eficaz quanto a acupuntura com a inoculação de algum tipo de substância. Eles não encontraram nenhuma evidência científica convincente que acupuntura tem um efeito além do placebo na dor miofascial. 2 este estudo também comentários sobre as limitações do estudo não especificar se os pacientes tinham papel higiênico. Outro aspecto é em relação aos critérios diagnósticos, qual seriam a combinação de sensibilidade muscular em uma banda palpável de um músculo esquelético e o aparecimento de dor, afirmando que o efeito do surgimento de LTR parece ser mais importante do que o tipo de substância injetada, mas este tipo de análise considerou-se somente em um único estudo. Os autores2 concluir dizendo que, embora não se pode cientificamente dizer que há alguma vantagem em usar a agulha, independentemente de ou não injetar algum tipo de substância, recomenda-se a sua implementação, uma vez que é o mais seguro e confortável para o paciente. 2

Embora não haja nenhuma diferença entre os grupos quando analisados separadamente e ao longo do tempo, enquanto comparar os valores do PPT foi notado um aumento na quantidade de pressão necessária para ter um processo doloroso local. Este processo doloroso na maioria das vezes não era acompanhado pela presença de RP mais. Outros estudos suportam nossas descobertas, em que há que ser um aumento PPT e também em alguns casos, nenhuma mudança respectivas. Alívio dos sintomas TP ocorre independentemente de se ou não aplicação de lidocaína. Eles notaram que era mais importante obter o LTR, como nos casos que não tem essa resposta, não há remissão dos sintomas foi percebida. Além disso, em casos que tiveram algum tipo de processo RP, pode ter sido estimulação de TP latente, que pode ocorrer quando nós provocamos o trauma gerado pela agulha. 8,11,16 este fator pode explicar o fato de que no final do estudo alguns pacientes tiveram o processo RP mesmo se a pressão foi maior do que aqueles registrados em períodos anteriores. Outro fato é que apenas uma injeção foi realizada, que pode não ter sido suficiente para neutralizar todos os satélites TP e também nenhum paciente de aconselhamento foi executar, tais como alongamento, pacotes quentes ou outros métodos que são citados na literatura. Sobre o aumento do PPT imediatamente observados outros estudos apoiá-lo, mas muitas vezes o paciente alambiques relatando a dor referida, que é igual no experimento. 11,15este fenómeno pode ocorrer porque pode haver a existência de satélites TP em torno do TP injetado. Estes pontos seria então não eliminados pelo processo e devido a um trauma mecânico, estes satélites TP podem ser ativados, o que leva à manutenção da RP e muitas vezes não mudar ppt8,10,11,16

O PPT inicial em média foi de 1,05 kg e alcançou os valores finais de 1,57 kg. Este valor final está próximo do normal em indivíduos saudáveis, cerca de 1,5 kg de músculo masseter. 24 outros estudos também dizem que os músculos saudáveis PPT mais elevado do que os músculos afetados pela MP. 16,18,22

Ao avaliar os resultados do SAV da dor, os resultados foram um pouco diferentes. Em relação ao nível da diminuição da dor marcado por pacientes, todos os grupos tiveram um decréscimo estatisticamente significativo ao longo do tempo, e todos os grupos alcançou valores iguais a zero, se não fechá-la, ou veio nas proximidades da “pior dor imaginável” para fechar a “dor”. Esta diminuição é consistente com o aumento do PPT, porque se houve uma remissão dos sintomas, havia uma real eficácia do tratamento e consequente diminuição da sensação de dor experimentada por pacientes, e isto foi mostrado por outros estudos. 7,11,13 uma diminuição entre 22 e 28 mm o vas leitura foi o suficiente para mostrar a eficácia da terapia. Estes resultados podem ser extrapolados para uma população com MFP em geral. A diminuição de 20-30 mm em VAS em relação à linha de base pode ser clinicamente relevante para o sucesso do tratamento. 3 esta constatação é confirmada nos resultados. 1,30

 

CONCLUSÃO

Baseado nos resultados que foram apresentados, é possível concluir que não existem diferenças entre os tratamentos aplicados para o alívio da MFP, e que todos os grupos diminuíram a sensação do paciente de dor medido pelo VAS e aumentou o PPT, mesmo em um curto período avaliação. A presença de TP relacionada sintomas em alguns pacientes indica que o tratamento pode exigir mais do que uma abordagem única de injeções ou interação com outras especialidades. Seria interessante em estudos futuros para realizar grupos placebo para a verificação de seu efeito sobre a resposta do doente.

 

REFERÊNCIAS

1. PC Conti, de Azevedo LR, de Souza NV, Ferreira FV. Medição em pacientes de DTM da dor: avaliação da precisão e sensibilidade de diferentes escalas. J Oral Rehabil. 2001; 28 (6): 534-9. [ Links ]

2. Cummings TM, branco AR. acupuntura terapias na gestão da dor de ponto gatilho miofascial: uma revisão sistemática. Arch Phys Med Rehabil. 2001; 82:986-92. [ Links ]

3. de Laat A, Stappaerts K, Counselin de S. Papy e fisioterapia como tratamento para a dor miofascial do sistema mastigatório. J Orofc dor. 2003; 17 (1): 42-9. [ Links ]

4. Dworking SF, os critérios de diagnóstico para distúrbios temporomandibulares LeResche L. Research: rever, critérios, exames e especificações, crítica. J Craniomandib Disord. 1992; 6 (4): 301-55. [ Links ]

5. Fischer AA. Algometry de pressão sobre os músculos normais. Valores padrão, validade e reprodutibilidade do limiar de pressão. Dor. 1987; 30 (1): 115-26. [ Links ]

6. Fricton Jr miofascial síndrome de dor de cabeça e pescoço: uma revisão das características clínicas de 164 pacientes. Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1985; 60 (6): 615-23. [ Links ]

7. Graboski CL, cinza DS, Burnhan RS. Toxina botulínica A contra injeções de ponto de gatilho de bupivacaína para o tratamento da síndrome da dor miofascial: um estudo de cruzado randomizado duplo cego. Dor. 2005; 118(1-2):170-5. EPub 2005 Oct 3. [ Links ]

8. Hong CZ. Injeção de lidocaína contra agulhamento seco a ponto de gatilho miofascial. A importância da resposta contração muscular local. Sou J Phys Med Rehabil. 1994; 73 (4): 256-63. [ Links ]

9. Hong CZ. Limite de pressão para dor referida por compressão sobre o ponto de disparo e áreas adjacentes. J Musculosk dor. 1996; 4 (3): 61-79. [ Links ]

10. Hong CZ. Tratamento da síndrome da dor miofascial. Curr Rep. dor de cabeça dor 2006; 5:345-9. [ Links ]

11. Hsieh YL, Kao MJ Kuan TS, Chen SM, Chen JT, Hong CZ. Seco de inserção de uma chave de ponto de gatilho miofascial pode reduzir a irritabilidade de pontos-gatilho miofascial satélite. Sou J Phys Med Rehabil. 2007; 86 (5): 397-403. [ Links ]

12. Iwama H, Akama Y. A superioridade da água diluída 0,25% de lidocaína a 1% puro para injeções ponto-gatilho na síndrome da dor miofascial: um ensaio prospectivo, randomizado, duplo-cego. ANESTH Analg. 2000; 91 (2): 408-9. [ Links ]

13. jaeger B, Reeves JL. Quantificação de alterações na sensibilidade de ponto gatilho miofascial com a pressão algometer seguindo o estiramento passivo. Dor. 1986; 27 (2): 203-10. [ Links ]

14. Kamanli A, Kaya A Ardicoglu O, Ozgocmen S, Zengin FO, Bayik Y. Comparison de injeção de lidocaína, injeção de toxina botulínica e agulhamento seco para pontos de gatilho na síndrome da dor miofascial.Rheumatol int 2005; 8:604-11. EPub 15 de setembro de 2004. [ Links ]

15. Lewit K. O efeito da agulha no alívio da dor miofascial. Dor. 1979; 6 (1): 83-90. [ Links ]

16. AS McMillan, limiar Blasberg B. dor-pressão nos músculos da mandíbula dolorosa após injeção de pontos de gatilho. J Orofac dor. (1994; 8 4): 384-90. [ Links ]

17. Mense S, Simons DG. Dor miofascial causada por pontos de gatilho. Em: Mense S, Simons DG. Dor do músculo: compreensão de sua natureza, diagnóstico e tratamento. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins;2001. p. 205-88. [ Links ]

18. Ohrbach R, Gale EN. Limiares de dor, avaliação clínica e diagnóstico diferencial de pressão: confiabilidade e validade em pacientes com dor miogênico. Dor. 1989; 39 (2): 157-69. [ Links ]

19. Daniel JP. Dor de dente alheios. Dent Clin North Am 1997; 2:367-83. [ Links ]

20. Pullinger AG, Seligman DA, Dornbein JA. Uma análise regressão logística múltipla do risco e probabilidades relativas de desordens temporomandibulares em função das características oclusais comuns. J Dent res 1993; 6:968-79. [ Links ]

21. Reeh ES, el Deeb me. Dor referida de origem muscular parecido com envolvimento endodôntico. Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1991; 71 (2): 223-7. [ Links ]

22. reeves JL, Jaeger B, Graff-Radford SB confiabilidade da pressão algometer como uma medida da sensibilidade de ponto gatilho miofascial. Dor. 1986; 24 (3): 313-21. [ Links ]

23. Reid KI, Gracely RH, Dubner RA. A influência do tempo, lado facial e localização nos limites de pressão dor crônica laserterapia desordem têmporo-mandibular. J Orofac dor. (1994; 8 3): 258-65. [ Links ]

24. silva RS Conti PC, Lauris JR, Silva RO, Pegoraro se. Limiar de dor pressão na detecção da dor miofascial mastigatória: um estudo de base algometer. J Orofac dor. 2005; 19 (4): 318-24. [ Links ]

25. Stratmann U, Mokrys K, Meyer U. Clinical anatomia e palpabilidade do músculo pterigoideo lateral inferior. J Prosthet Dent. 2000; 83 (5): 548-54. [ Links ]

26. Travell JG. Dor nas articulações temporomandibular refere dos músculos da cabeça e do pescoço. J Prosthet Dent. 1960; 10 (4): 745-63. [ Links ]

27. Travell JG, Simons DG. Antecedentes e princípios. Em: Travell JG, Simons DG. Dor miofascial e disfunção. O manual do ponto de gatilho. Baltimore: Williams & Wilkins; 1983. p. 5-44. [ Links ]

28. Türp J, Minagi S. Palpation pterigoideo lateral na região de DTM – onde estão as provas? J Dent. 2001; 29 (7): 475-83. [ Links ]

29. CM Visscher, Lobbezoo F, Naeije M. Comparison de algometry e palpação no reconhecimento das queixas de dor de distúrbio da articulação temporomandibular. J Orofac dor. 2004; 18 (3): 214-9. [ Links ]

30. A Williamson, Hoggart B. Pain: uma revisão de três escalas de avaliação de dor comumente usados. J Clin Nurs. 2005; 14 (7): 798-804. [ Links ]

 

Confira aqui o Artigo Completo Sobre – Evaluation of dry needling and 0.5% lidocaine injection therapies in myofascial pain trigger points in masticatory muscles

LEAVE A REPLY