Beber pouca água aumenta incidência de cálculo renal no verão

0
29

Saúde

Criado em 18/02/13 17h00 e atualizado em 18/02/13 17h39
Por Marli Moreira Edição:Davi Oliveira Fonte:Agência Brasil

PublicidadeÉ recomendável beber pelo menos dois litros de água por dia (Guadalupe Cervilla (CC))

São Paulo – A correria do dia a dia que impede hábitos saudáveis à mesa, levando muita gente a optar por alimentos industrializados, com o uso do sal acima do ideal, combinado com a baixa ingestão de líquidos está provocando, sobretudo no verão, um aumento nos casos de cálculo renal.

Em média, o mal atinge 15% da população, mas no verão a incidência dobra, segundo alerta do urologista Fábio Vicentini, médico chefe do Ambulatório de Litíase [cálculo] Renal do Centro de Referência da Saúde do Homem, vinculada à Secretaria da Saúde do governo paulista.

“Cada vez mais as pessoas estão sempre correndo, não conseguem se alimentar direito e acabam comendo alimentos com muito sal, muita carne vermelha e tomando pouco líquido, o que leva a um aumento dos casos de cálculo renal”, relatou o médico. No verão, explica ele, as pessoas desidratam por causa da maior transpiração e nem sempre compensam essa perda de água do corpo pela ingestão de líquidos.

Um sinal indicativo de que a pessoa pode estar com a formação do cálculo é a tonalidade da urina, que deve ser sempre clara. Se tiver com um amarelo mais forte, a urina está concentrada e isso facilita o surgimento das pedrinhas. Em 85% dos casos diagnosticados, o tamanho dos cálculos é pequeno e pode ser dissolvido e expelido com o uso de medicamentos e dieta.

Porém, quando os cálculos atingem de um centímetro para cima, normalmente, há o indicativo de cirurgias. É um estágio da doença em que paciente pode passar por uma experiência bem desagradável. A pedra entope o canal de drenagem do rim para a bexiga e o sintoma é a sensação de uma cólica muito forte. A dor intensa e súbita surge nas costas e vai para o abdômen, levando quem sofre a um pronto-socorro, explica o médico.

De acordo com o médico, metade dos pacientes em tratamento volta a apresentar o problema, ou porque a pedra não foi expelida por completo ou em razão de se manter os mesmos hábitos que levaram à formação dos cálculos. Ele recomenda que se deve beber muita água, em média dois litros por dia , e sucos naturais. Os de melão, laranja e limão são os mais indicados porque contêm uma substância, o citrato, que auxilia no bom funcionamento renal.

Entre as dicas repassadas pela Secretaria da Saúde está a redução do uso de sal, que pode ser compensada por meio de ervas naturais como salsinha, cebolinha e orégano, além de suco de limão, que acentuam o sabor dos alimentos. Por meio de nota, a secretaria lembra que “o famoso chá de quebra-pedra não faz milagres”. O efeito benéfico vem do líquido e não das folhas, que podem até provocar intoxicações.

Entre as pessoas mais suscetíveis a ter problemas de cálculo renal estão os obesos, por apresentar mais cálcio e ácido úrico na urina. Quem consome frutos do mar em excesso também são potenciais candidatos.

Edição: Davi Oliveira

Tags: São Paulo, hábitos saudáveis, hábitos alimentares, alimentos industrializados, consumo de sal, baixa ingestão de líquidos, cálculo renal, verão, urologista, Fábio Vicentini, Ambulatório de Litíase Renal do Centro de Referência da Saúde do Homem, Secretaria da Saúde do governo paulista, carne vermelha, desidratação, transpiração, tonalidade da urina, urina concentrada, pedra nos rins, pedra expelida, medicamentos, dieta, cirurgias, canal de drenagem do rim, rim, bexiga, cólica, dor intensa, dor súbita, abdômen, beber muita água, citrato, bom funcionamento renal, ervas naturais, chá de quebra-pedra, intoxicações, obesidade, cálcio, ácido úrico, Saúde, consumo de carne vermelha, consumo de água, litíase renal, prevenção do cálculo Creative Commons – CC BY 3.0 Fale com a Ouvidoria

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta