Belchior | EBC especiais

0
37

Onde está Belchior?

A pergunta não é exatamente nova, mas ganhou força devido ao maior a hiato da presença do artista junto ao seu público desde 1965, quando começou a se apresentar em festivais de música no Nordeste. Em uma entrevista concedida em 1987 para o programa Terça Especial, da Rádio Nacional FM do Rio, a apresentadora Geisa Herrera repassa ao cantor a pergunta que chegava com frequência dos ouvintes da Rádio: “Onde anda Belchior?”

Ouça a resposta na voz do próprio Belchior:

Desde 2009, o músico não vem a público para responder a essa indagação, fato que contribuiu para aumentar especulação em torno de seu paradeiro e do motivo de seu sumiço. O produtor Marco Mazzola, responsável por lançar “Alucinação” pela Polygram e levar Belchior para a Warner – onde o artista cearense gravou seus cinco discos seguintes –, lembra que manteve contato com o cantor até cerca de cinco anos atrás, época em que o artista queria montar uma exposição com as suas telas.

Ouça trecho da entrevista:

Ricardo Kelmer, admirador da obra de Belchior desde a adolescência em Fortaleza e organizador do livro “Para Belchior com Amor” – uma coletânea de escritores cearenses com textos baseados na música do compositor –, também percebe um clima de mistério em torno do paradeiro e das motivações para essa decisão do artista.

Vida e obra

Belchior em 1982, por Divulgação

Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes nasceu em Sobral, no Ceará, no dia 26 de outubro de 1946, em uma numerosa família em que já havia tradição musical.

O artista cresceu rodeado pela vivência musical dentro de casa e ouvindo rádio dos vizinhos.Mudou-se para Fortaleza em 1962 para estudar Filosofia e Humanidades, e na capital cearense deu início a sua carreira artística, trabalhando como produtor de um programa musical na TV Ceará, Canal 2.

O Canal 2 era responsável por produzir os Festivais Populares da Canção Brasileira realizados na Bahia, em Pernambuco e no Ceará. Belchior se apresentou nesses festivais entre 1965 e 1970, onde se juntou a outros compositores como Fagner, Ednardo, Rodger Rogério, Teti, Cirino, geração de artistas que se tornou conhecida como “Pessoal do Ceará”.

É nesse momento que Belchior decide se dedicar exclusivamente à música e abandona o curso de medicina no quarto ano, em 1971, apesar da reprovação da família, que considerava essa opção uma aventura. Ao falar dessa escolha em entrevista para a Rádio Nacional em 1987, Belchior afirma que pretendia continuar nessa aventura durante muito tempo, pois seu desejo era “cantar a vida inteira”.

Belchior se mudou para o Rio de Janeiro em 1971 e venceu o IV Festival Universitário da MPB com a canção “Na Hora do Almoço”, cantada por Jorge Melo e Jorge Teles. A música marca sua estréia em disco com um compacto do selo Copacabana. “Mostrando que havia uma nova música popular brasileira sendo feita no Nordeste, especialmente no Ceará, que dava continuidade à tradição mas queria de alguma forma romper com ela”, diz ele em entrevista.

Ouça o comentário de Belchior seguido da música “Na Hora do Almoço”:

Em 1972, o compositor Sérgio Ricardo escolheu a música “Mucuripe”, parceria de Belchior com Fagner para o Disco de Bolso do jornal Pasquim. Na sequência, a canção foi gravada por Elis Regina e alcançou projeção nacional. Do Rio, Belchior seguiu para São Paulo e em 1974 gravou seu primeiro LP pela gravadora Chantecler, com a música “Galos, Noites e Quintais”.

O momento decisivo que o projetaria nacionalmente como compositor, no entanto, ainda estava por vir.

“Alucinação”

Foto para a capa do disco “Alucinação”, por Philips / Divulgação

Em 1976, durante a escolha das músicas para o repertório do show “Falso Brilhante”, de Elis Regina, uma fita K7 com canções de Belchior e o telefone do músico chegou às mãos da cantora. Ela havia chamado para trabalhar no show o jovem produtor Marco Mazzola. Com 28 anos, ele acabara de trabalhar em discos de Raul Seixas, Jorge Ben e Gilberto Gil. Um dia ela chamou Mazzola para ouvir aquelas canções e “Velha Roupa Colorida” e “Como Nossos Pais” foram escolhidas para o repertório do show e do disco de Elis que seria lançado posteriormente.

Ouça trecho da entrevista:

Elis Regina. Foto: Divulgação

Em entrevista para a Rádio Nacional em 1987, Belchior lembra um depoimento de Elis Regina feito a ele sobre a música “Como Nossos Pais”:

Ouça o relato de Belchior e a música na versão do autor.

Impressionado com a qualidade daquele repertório, Mazzola perguntou sobre o compositor. O produtor teria ligado então para o número de telefone anotado na fita e a ligação caiu em um canteiro de obras, onde o músico morava na época. A versão contada pelo próprio cantor, no entanto, é diferente. Ele teria conhecido Elis em um ensaio com Toquinho e Vinicius de Morais. Assista à entrevista em que ele conta o episódio no programa A vida é um show, da TVE, concedida em 2003:

Chegando ao Rio, Belchior mostrou ao violão a música “Rapaz Latino Americano”, e Mazzola decidiu gravar uma fita demo para apresentar o músico na Polygram, com a ideia de lançar um disco do artista. Mas na primeira conversa ele acaba sendo recusado pela gravadora. “Levei a fita pra reunião de produção, todos os produtores da companhia estavam e todo mundo vetou minha contratação, dizendo que o cara cantava nasalado, que o cara era muito feio, não sei o que”, lembra o produtor musical.

Mazzola decidiu ir até André Midani, presidente da Polygram na época. Na segunda tentativa, os produtores aceitam a contratação com ressalvas mas, com o apoio de Midani, Mazzola faz o disco. “Eu falei ‘André, e aquele artista? Eu tô preocupado em fazer e depois dá errado e as pessoas vão falar…”. Ele falou: ‘menino, faz…faz menino’”.

Marco Mazzola e Belchior nas gravações de”Alucinação”.Foto: Acervo / Marco Mazzola

O disco foi gravado como se fosse ao vivo: os músicos convidados ensaiaram com Belchior durante uma semana e as faixas foram gravadas em duas tardes.

Entre os músicos que participaram do disco estavam o pianista José Roberto Bertrami, o baixista Paulo César Barros, os guitarristas Antenor Gandra e Rick Ferreira e o percussionista Ariovaldo Cortesini.

“Alucinação” foi lançado pela Polygram em 1976, trazendo as músicas “Velha Roupa Colorida”, “Como Nossos Pais” e “Rapaz Latino Americano”. Quando essa última música chegou ao rádio na voz de Belchior e as duas anteriores já estavam conhecidas na voz de Elis, o compositor foi finalmente apresentado ao Brasil.

Midani abriu a filial da Warner no Brasil e chamou Mazzola para trabalhar com ele, que por sua vez levou Belchior como seu primeiro artista contratado para a nova gravadora. Após o lançamento de “Alucinação”, Mazzola deixou a gravadora mas continuou acompanhando os desdobramentos do trabalho com os antigos colegas. Já na Warner, produziu disco seguinte de Belchior, “Coração Selvagem” (1977), última parceria de trabalho entre os dois.

Entrevista à Rádio Nacional em 1979

Belchior em 1979, por Divulgação / Warner

Belchior permaneceu na Warner até 1982 e gravou cinco discos pelo selo. “Era uma Vez um Homem e seu Tempo” , terceiro trabalho dele pela gravadora e quinto de sua carreira, foi apresentado no ano de seu lançamento, em 1979, no programa Música Brasileira Especial, da Rádio Nacional FM do Rio de Janeiro.

Durante o programa, o artista falou sobre cada uma das 11 faixas do disco. Escute as canções comentadas por Belchior:

Medo de Avião

“É uma música simples onde há memórias Beatles e eu incorporo emblemas, símbolos, signos de uma adolescência que pode tanto ser a minha como pode ser de muita gente”

Retórica Sentimental

“É uma música tropicalista (…). Nos referimos à tradicional poesia de Gonçalves Dias, à figura do sabiá, a figura do índio e relacionamos tudo isso com a produção recente de Música Popular Brasileira”

Belchior em 1976, por Divulgação / Philips

Brasileiramente Linda

“Essa música apresenta contatos nítidos, afinidades concretas bastante evidentes, como você pode ver por uma simples leitura da letra”

Espacial

“É uma música que relaciona a tecnologia sofisticadíssima da chegada do homem à Lua com o fato de nós sermos seres humanos frágeis e necessitarmos de coisas bastante primitivas como o pão, o amor, a convivência com as pessoas e a linguagem”

Pequeno Perfil de um Cidadão Comum (Belchior, Toquinho)

“Como o próprio título indica, é uma música sobre o homem comum, o homem cujo horizonte em sua vida é reduzido pela ânsia de vencer”

Voz da América

“É uma música que tenta um contato com a latinidade total, a latinidade que inclui o tango, o bolero, muitos e muitos cantores”

Tudo Outra Vez

“É uma música feita para as pessoas que estão voltando. Quem meteu o pé na estrada e sentiu saudade de casa, pessoas que estão voltando para o seu próprio país. Que estão voltando para os sentimentos que tiveram nos melhores tempos de sua vida”.

Belchior em 1983, por Divulgação

Conheço Meu Lugar

“É preciso que muitas e muitas vezes os artistas façam esse tipo de letra, esse tipo de testemunho sobre o seu tempo, sobre a circunstância do seu tempo e sobre o ato da existência trágico”

Comentário a respeito de John (Belchior, José Luiz Penna)

“É um comentário a respeito de uma frase que sempre marcou muito minha relação com a música Beatle que é ‘Hapinnes is a warm gun’: a felicidade é uma arma quente. (…) É um comentário a respeito da felicidade, da alegria, a felicidade continua sendo a prova dos nove”.

Meu Cordial Brasileiro (Belchior, Toquinho)

“É também uma música irônica sobre a famosa cordialidade brasileira (…), sobre o Brasil diante do qual a Europa sempre se curva”

Medo de Avião II (Belchior, Gilberto Gil)

“Aceitei imediatamente o convite carinhoso do Gil de fazer uma letra pra ele. Com esse projeto também nós quisemos explicitar uma quebra da linearidade entre letra e melodia, quer dizer, uma peça pode ser montada de diversos modos”

Extras

Assista a mais vídeos da entrevista que Belchior deu ao pograma “A vida é um show”, da TVE:

Relação com universitários

O cantor fez “shows debates”, em que estabelecia um diálogo com a juventude universitária, levando a visão poética do Brasil que a Música Pupular Brasileira carregava.

Ainda somos como nossos pais?

Ouça outros trechos da entrevista que Belchior concedeu para a Rádio Nacional 1979 no programa “Música Brasileira Especial” sobre diversos temas

Crítica musical

“Antes de tudo ressalvo o direito democrático à liberdade total de expressão (…). Humildemente, eu prefiro com toda sinceridade os efeitos de uma música medíocre do que uma crítica de primeira”

Disco de autor

“As minhas músicas estão mesmo à exposição e à espera de intérpretes que se habilitem a cantá-las. Eu nunca guardei pra mim as músicas feitas para o meu LP; eu sempre esperei que intérpretes, pessoas que se dedicam especialmente ao ato de cantar e não de compor, chegassem até minhas músicas e gravassem em primeira mão.”

Divulgação / TV Cultura

Belchior e Ângela Rorô falam sobre composição

“Eu tenho um certo senso de delicadeza pessoal de não querer submeter meu próprio parceiro à minha loucura criativa, ao meu caos, a minha desordem de compor. Eu componho continuamente, desordenadamente (…)”

Belchior e Ângela Rorô falam sobre o timbre do artista

“O timbre é a própria forma sonora da alma do artista, a própria forma vocal de ser. A existência externa do artista se manifesta principalmente através do timbre.”

Processo de gravação em estúdio

“Como artista eu me interesso por todas as fases da produção de música, eu quero saber de todos esses processos e quero fazer do conhecimento desses processos um dado criativo incorporado ao meu trabalho”

25 de Outubro, 2016

Deixe uma resposta