Contagem de plaquetas resultado e como interpretar

    0
    34

    O que são plaquetas?

    São células do sangue também conhecidas como trombócitos. As plaquetas são criadas na medula óssea a partir do citoplasma e dos megacariócitos que ao se fragmentarem viram plaquetas desprovidas de um núcleo. As plaquetas possuem em média de 15 a 30 micrometros e aspecto achatado em forma de disco. Elas contribuem para a formação de coágulos no sangue desempenhando importante papel no controle de hemorragias e de machucados por exemplo.

    Pode-se dizer que os valores de referência para adultos e para crianças fica entre 150.000 plaquetas a 400.000 plaquetas a cada mm3 sanguíneo. A contagem do número de plaquetas é importante para a verificação do estado do organismo e para a detecção de uma série de doenças. As plaquetas são destruídas após 5 dias no baço. Quando o baço de um indivíduo está danificado pode haver um número elevado de plaquetas assim como quando o baço está com atividade aumentada pode haver uma queda no número de plaquetas.

    É através de um hemograma com contagem de plaquetas que se pode analisar as variações morfológicas e quantitativas desta célula. O hemograma pode ainda ser utilizado para análise de outras células sanguíneas como as hemácias e os leucócitos.

    Para que servem

    As plaquetas desenvolvem importantes funções no corpo humano. São elas que por exemplo protegem o organismo da perda em excesso do sangue já que influenciam na devida coagulação sanguínea quando de cortes e de machucados. Quando nos machucamos as plaquetas vão até a área acometida e soltam serotonina o que leva a uma vasoconstrição ou seja retração dos vasos e a uma consequente diminuição da perda de sangue. Além disto elas grudam no local machucado formando uma espécie de barreira para impedir a perda sanguínea.

    contagem de plaquetas

    As plaquetas são portanto fundamentais para que não haja perda de sangue para que nos recuperemos de cortes e de machucados de uma forma geral e para que haja coagulação sanguínea diante de uma hemorragia. A quantidade irregular destas células no sangue pode indicar e levar a uma série de condições preocupantes por isso é fundamental realizar exames de rotina e consultar um médico diante de quaisquer sintomas.

    Como funcionam

    As plaquetas atuam basicamente na coagulação sanguínea. Quando nos cortamos por exemplo o corpo envia um sinal para que as plaquetas se dirijam ao local. Na área acometida elas soltam serotonina o que leva a uma vasoconstrição.

    Em seguida elas formam uma espécie de tampa no machucado de forma a evitar a perda sanguínea. Ao mesmo tempo elas soltam algumas substâncias responsáveis por ativar a protrombina proteína presente no plasma. A protrombina ao ser ativada se transforma em trombina. Esta ao reagir com fibrinogênio transforma-se em fibrina uma espécie de rede insolúvel que dá origem ao coágulo.

    Parte do líquido presente no coágulo irá ser eliminado em cerca de 30 a 60 minutos da formação do mesmo. A eliminação deste líquido dá origem à casca característica de feridas. O líquido eliminado pelo coágulo é um soro parecido com o plasma sanguíneo no entanto sem os fatores coagulantes e sem fibrinogênio.

    Contagem de plaquetas

    Através de um hemograma pode ser feita a contagem de plaquetas. Em adultos e em crianças o número varia entre 150.000 a 400.000 plaquetas a cada mm3 do sangue. A contagem de plaquetas assim como a análise das outras células do sangue é fundamental para a detecção prevenção e hemograma completotratamento de uma série de condições.

    No caso das plaquetas alterações quantitativas podem indicar patologias hemorrágicas e orientar o médico na detecção de outras condições relacionadas à imunidade já que apresentam como sintoma primário a diminuição destes elementos. Em um hemograma pode-se estudar a série vermelha das hemácias a série branca dos leucócitos e a série plaquetária das plaquetas. Elas podem ser estudadas tanto quantitativamente quanto morfologicamente.

    Resultado e como interpretar

    De acordo com os valores de referência o resultado da contagem de plaquetas pode ajudar o médico na detecção de uma série de condições. Por exemplo um aumento de plaquetas pode estar relacionado a alguma disfunção no baço responsável por destruí-las assim como a doenças inflamatórias à artrite reumatoide à mielofibrose a carcinomas e à colite ulcerativa.

    Já uma diminuição do número de plaquetas pode estar relacionada por exemplo a condições hereditárias como a síndrome de Wiskott-Aldrich e a condições adquiridas como a púrpura trombocitopênica idiopática secundária. Um baço em hiper atividade acaba também levando a uma diminuição no número de plaquetas sendo que anemias dengue malária e leucoses estão relacionadas a uma redução destes elementos.

    Alterações na morfologia das plaquetas também são significativas. Plaquetas com tamanhos variados por exemplo podem representar síndromes mieloproliferativas. Já plaquetas disformes podem estar relacionadas à púrpura trombocitopênica idiopática crônica. Por fim plaquetas com tamanho aumentado podem expressar a presença de tumores já plaquetas reduzidas em tamanho podem representar entre outras condições síndromes mieloproliferativas.

    Deixe uma resposta