Filariose | Elefantiase

    0
    109

    Filariose

    Também chamada de filaríase esta doença é considerada uma típica patologia tropical. Leia mais neste artigo sobre aas causas sintomas e modos de prevenção contra esta doença.

    O que é?

    A doença filariose pode ser causada por nove espécies de parasitas que podem infectar o corpo humano. Os vetores ou seja transmissores do parasita são em sua maioria insetos que se alimentam de sangue humano como mosquitos.

    De acordo com a espécie de verme a doença é dividida em três tipos. A filariose subcutânea na qual o verme afeta a camada de gordura que fica abaixo da pele a filariose linfática que afeta principalmente os vasos linfáticos e a filariose de cavidade serosa que afeta principalmente a cavidade abdominal.

    A forma mais comum desta doença é a forma linfática também chamada de Elefantíase.

    A sobrevivência e transmissão desta doença só pode ser possível em clima úmido com temperaturas altas. Desta forma casos na Europa ou outros lugares temperados só existem em caso de viagem do paciente já infectado para o país em questão.

    filariose

    Sintomas

    Alguns casos são assintomáticos no entanto o paciente continua transmitindo larvas chamadas de microfilárias através de seu sangue.

    Estas microfilárias acabam por entupir os vasos linfáticos formando primeiramente nódulos palpáveis depois a deformação avançada do membro geralmente perna ou escroto fazendo-o se parecer com um membro de elefante.

    Este sintoma aparece a longo prazo sendo precedido por um período de incubação e de outros sintomas mais brandos.

    A linfa (líquido dos vasos linfáticos que se acumula com o entupimento causado pelas microfilárias e deforma os membros do paciente) deve ser drenada para evitar que arrebente o vaso.

    A presença das larvas também pode levar a episódios de reação imunológica do organismo do paciente infectado como coceira generalizada febre mal estar asma problemas respiratórios fadiga recorrente aumento de gânglios entre outros. Nesta fase os membros já apresentam inchaço perceptível.

    Nos homens esta doença também pode causar inchaço deformação ou inflamações sérias nos testículos.

    Evolução

    elefantiaseApós oito meses de contágio a transmissão de microfilárias (larvas resultantes de reprodução de parasitas dentro do corpo do paciente) se inicia aumentando cada vez mais de número a cada ciclo.

    Ao picar uma pessoa doente o mosquito ou vetor capta juntamente com o sangue as larvas microfilárias. Dentro do corpo do mosquito as microfilárias se desenvolvem e se transformam em formas do verme que podem infectar outras pessoas.

    Quando atingem um novo hospedeiro os vermes evoluem para a reprodução gerando mais microfilárias e um novo ciclo.

    Existe também um período considerável de incubação que pode durar vários meses.

    Todos estes fatores podem fazer com que a doença não apresente sintomas até muito tarde quando já se torna crônica. Após a deformação dos membros só é possível recuperar a antiga forma dos mesmos por meio de cirurgia mesmo que o parasita seja eliminado.

    Tratamento

    O tratamento é feito através de medicamentos contra o parasita e medidas de contenção de sintomas secundários. Como dito anteriormente no caso de deformação permanente de algum membro este deve ser drenado ou operado.

    O diagnóstico pode ser feito de diversas formas procurando vermes adultos microfilárias no sangue inchaço nos vasos linfáticos por meio de exames de imagem ou pesquisa de anticorpos no sangue ou urina.

    Todos os meios tendem a ser certeiros para um diagnóstico e esta doença é endêmica o suficiente para mobilizar a Organização Mundial de Saúde que possui um programa específico contra esta patologia.

    De acordo com eles a melhor prevenção é dormir protegido contra mosquitos utilizar repelentes roupas compridas e se vive em zona afetada tomar medicamentos de prevenção.

    filariase

    Também é importante utilizar telas de proteção nas casas ou nas camas evitar o acúmulo de água parada para reprodução do mosquito em lixo pneus vasos de plantas entre outros. Como as áreas de transmissão desta doença são geralmente afastadas carentes e subdesenvolvidas as melhores formas de combater a doença são sempre a prevenção conscientização e eliminação dos vetores.

    A OMS realia intervenções em zonas afetadas com aplicação de inseticidas periodicamente. No entanto se você vive em área tropical e quente deve se proteger e proteger a sua família evitando o seu contágio e a transmissão a outros indivíduos.

    Compartilhar
    Artigo anteriorDiástase
    Próximo artigoCarboxiterapia

    Deixe uma resposta