Laqueadura

    0
    157

    O que é laqueadura?

    É um procedimento que visa à esterilização definitiva da mulher através do fechamento das suas tubas uterinas. Desta forma o óvulo fica impedido de descer e o espermatozoide de subir barrando assim uma fertilização.

    A cirurgia de laqueadura é simples e consiste em cortar e amarrar as extremidades das trompas para que a passagem fique bloqueada. Para os espermatozoides o bloqueio é na porção distal para o óvulo na porção proximal.

    O aparelho reprodutor feminino é composto pelo útero pelas tubas uterinas ou trompas pelos ovários e pela vagina. Desde que nasce a menina possui nos ovários folículos que irão ao longo da vida amadurecer e com isto eliminar óvulos. Na puberdade uma vez por mês um óvulo é liberado até chegar a menopausa. Este óvulo liberado desce pelo tubo uterino e no caminho pode ou não ser fecundado por um espermatozoide. Caso haja a fecundação o óvulo fecundado passa a ser chamado de ovo e é empurrado até o útero através de movimentos dos tecidos que revestem a tuba uterina.

    Com a laqueadura esse encontro fica impedido de acontecer. Embora o procedimento cirúrgico seja simples é preciso a abertura da cavidade abdominal para conseguir acessar o tubo uterino sendo portanto algo um pouco invasivo. É muito raro uma mulher acabar engravidando após a laqueadura porém em poucos casos já houve uma recanalização das trompas e então a gravidez.

    laqueadura

    Quando é indicado

    É indicado para mulheres que não desejam mais ter filhos. A laqueadura talvez possa até mesmo ser considerada a melhor forma de contracepção existente. Assim como a vasectomia a possibilidade de ocorrer gravidez após o procedimento é menor do que 1%. Apesar disto é fundamental que o uso de preservativos continue de forma a evitar doenças sexualmente transmissíveis e a AIDS.

    Somente mulheres com mais de 25 anos ou que tenham mais de duas cesarianas realizadas podem fazer a laqueadura. Isto porque o procedimento obedece a uma lei que tem como intuito reger o planejamento familiar.

    Como é o procedimento

    Geralmente a laqueadura é feita logo em seguida à cesariana aproveitando o corte e o momento em específico. Há cerca de dez técnicas diferentes que podem ser utilizadas com esse intuito como a colocação de anéis de plástico de clipes de titânio a realização de cortes ou a queima das trompas.

    A cirurgia é feita com um corte cirúrgico no abdômen por laparoscopia ou pela vagina. É preciso o uso de anestesia na maioria das vezes do tipo raquidiana e também uma internação hospitalar de pelo menos meio dia. O procedimento como um todo tende a durar aproximadamente 40 minutos.

    Nosso país é um dos que mais realiza laqueaduras no mundo. Deve-se pensar muito bem antes de decidir por esta opção já que pode ser irreversível. Somente em alguns casos e em alguns locais é possível fazer o procedimento reverso. Portanto é importante a mulher adotar outros métodos contraceptivos antes de escolher este como o DIU o preservativo as pílulas orais ou as pílulas injetáveis.

    Quais são os preparativos

    Para a realização do procedimento é preciso uma boa conversa com o médico. É muito importante pensar bastante sobre esta opção antes da tomada de qualquer decisão. Após marcado o procedimento alguns exames serão pedidos como o de sangue e o de urina. Um documento é preciso ser assinado pela solicitante para confirmar que esta está de acordo com os riscos e com as implicações do método. A cirurgia só é autorizada pelo menos 60 dias depois da assinatura do termo.

    No dia da cirurgia é preciso chegar com certa antecedência ao local marcado. A paciente será internada e provavelmente passará 2 dias no hospital Portanto o ideal é ir acompanhada e com um muda de roupas.

    vasectomia

    Riscos e efeitos colaterais

    Este procedimento é simples e é realizado com bastante frequência no Brasil. Entretanto pode ser considerado um tanto quanto invasivo já que pode ser feito via corte cirúrgico no abdômen. Apesar de visar a esterilização definitiva da mulher em alguns casos isto pode não ocorrer. Ele é o mais efetivo dos métodos para planejamento familiar porém não é infalível.

    Após a laqueadura é comum ocorrerem dores pélvicas menopausa precoce e menstruação irregular. Além disto muitas pessoas acabam se arrependendo depois e querem ter filhos. Por isto é preciso pensar bem antes de escolher tal opção. De forma geral a laqueadura não apresenta riscos e não deixa efeitos colaterais entretanto um ou mais sintomas podem ser sentidos dependendo do organismo da pessoa.

    O que ocorre após o procedimento

    Após o procedimento a mulher ainda deve permanecer no hospital por um tempo antes de receber a alta. Geralmente o período de internação é de 2 dias. Já em casa é muito importante o repouso total por pelo menos 1 semana portanto o ideal é que todas as tarefas e obrigações sejam realizadas antes da cirurgia de forma a conseguir um bom pós operatório.

    A pessoa estará liberada para ter relações sexuais somente depois de 1 semana. Mesmo após a cirurgia os médicos indicam que se faça uso de outros anticoncepcionais por aproximadamente mais 1 mês. A laqueadura pode ser um procedimento um tanto quanto caro. Portanto é preciso ficar atento não somente ao preço da cirurgia como também com os gastos extras como medicação anestesia e hospital.

    A menstruação pode ficar um pouco afetada porém ela não deixa de ocorrer. Tanto a libido quanto a produção de hormônios continuam iguais. Diante de qualquer incômodo após a cirurgia é muito importante consultar um médico. Jamais se deve fazer o uso de medicamentos sem a orientação de um profissional. O uso incorreto de fármacos pode piorar um estado e ainda mascarar uma doença muito mais perigosa. É preciso tomar atenção com este hábito.

    A laqueadura é simples e na grande parte das vezes efetiva. É bem pouco provável que haja recanalização das trompas isto ocorre em um número ínfimo de vezes. Apesar de a mulher estar estéril é importante que os parceiros continuem a utilizar camisinha de forma a evitar doenças sexualmente transmissíveis e AIDS.

    LEAVE A REPLY