LEUCORRÉIA | Mais um corrimento vaginal…

    0
    222

    Leucorreia

    A leucorreia é um problema que afeta muitas mulheres e que apesar de ser embaraçoso deve ser discutido sempre com um médico ginecologista.

    Leia mais aqui sobre esta patologia que afeta tantas mulheres.

    O que é?

    A leucorreia é como a comunidade médica chama a presença de corrimento vaginal ou seja a saída de secreções pela vagina acompanhada ou não de irritação coceira ou ardência no canal.

    Esta doença pode ter muitas causas como inflamação em outras partes do aparelho reprodutor feminino (útero ovários ou colo do útero) presença de fungos ou bactérias no canal (como a conhecida cândida causadora de candidíase) e quadros alérgicos (provocados por uso de alguns sabonetes loções ou desodorantes íntimos).

    Como a presença de corrimento pode ter várias causas e afetar até meninas e adolescentes antes da chegada da primeira menstruação é sempre importante chegar a um diagnóstico com o seu médico para que o tratamento seja adequado e o problema resolvido.

    leucorréia

    Sintomas

    Os sintomas da leucorreia como a própria definição diz é a presença de corrimento vaginal. Ao conversar com o seu médico você deve observar a textura do corrimento a cor o cheiro o período em que aparece (se é pré-menstrual por exemplo) e a quantidade de secreção que você nota diariamente.

    Este corrimento pode ou não estar acompanhado de irritação vaginal coceira intensa ou moderada ardência e outros sintomas. Em casos de infecções por bactérias ou fungos esta ardência ou irritação pode se tornar mais intensa na higienização da área ou no momento de urinar.

    Mesmo um corrimento sem cheiro e sem cor pode ser indicativo de doença e deve ser analisado cuidadosamente por um médico especialista.

    Evolução

    O médico observará o pH vaginal (indicativo de possíveis fungos ou bactérias na região) o corrimento os hábitos da paciente seu histórico sexual seus órgãos reprodutores internos e a aparência externa e interna da vagina para determinar um diagnóstico.

    Apesar de ser um quadro pouco comum um corrimento pode indicar uma inflamação nos órgãos sexuais internos. Esta inflamação tende a se agravar com o tempo se não diagnosticada e tratada.

    leucorreia sintomasMesmo que se trate de uma infecção por fungo ou por bactéria de fácil tratamento a negligência pode levar a um aumento da infecção podendo esta atingir outros órgãos e causar danos mais graves internamente.

    O histórico sexual também é importante porque qualquer infecção vaginal pode ser transmitida sexualmente se os parceiros não utilizarem nenhum método de proteção como a camisinha.

    Mesmo meninas jovens estão vulneráveis à presença de algum agente infeccioso e crianças geralmente são mais sensíveis a alergia.

    O recomendado pelos médicos é que as meninas sejam levadas ao médico desde a primeira menstruação e que antes disso os pais estejam atentos a qualquer queixa ou sinal de irritação ou corrimento.

    Tratamento

    Primeiramente o médico examinará a secreção e excluirá qualquer infecção fúngica ou bacteriana. Se este for o caso o tratamento é feito por meio de pomadas e comprimidos.

    Quando a mulher já tem atividade sexual é recomendado que o parceiro também tome os comprimidos e em alguns casos use também uma pomada na região genital.

    Se o caso não for infeccioso o médico excluirá qualquer possibilidade de alergia. É importante lembrar que qualquer coisa desde papel higiênico a roupas que toque a região íntima pode provocar uma alergia mesmo que um sabonete usado no resto do corpo por exemplo não cause nenhum sintoma.

    corrimento leucorreiaSe o caso não for nenhum dos anteriores o médico deverá solicitar um papanicolau (também chamado pela comunidade médica de “preventivo”) para observar melhor o colo do útero. Exames como o ultrassom também revelarão possíveis patologia no útero ou nos ovários.

    Para prevenir quadros infecciosos e alérgicos os médicos geralmente recomendam que a paciente use preferencialmente calcinhas de algodão evite o uso de calças jeans ou roupas que abafem a região e utilizem sabonetes íntimos específicos para esta área.

    Em casos de pacientes já diagnosticadas com quadros infecciosos é importante sempre ficar alerta pois a paciente pode ter uma recaída ou apresentar o problema novamente mais tarde na vida.

    Pequenos cuidados tendem a manter a saúde ginecológica em dia e visitas frequentes ao médico podem evitar que muitas doenças atinjam uma maior gravidade.

    LEAVE A REPLY