Miocardiopatia Dilatada

    0
    56

    O que é cardiomiopatia dilatada?

    É uma doença que acomete o músculo do coração impedindo que o adequado bombeamento do sangue seja feito pelo corpo. A cardiomiopatia dilatada pode levar a complicações como coágulos de sangue arritmia e até mesmo morte súbita.

    A condição tende a afetar mais o ventrículo esquerdo do que o ventrículo direito. O ventrículo esquerdo é uma importante câmara para bombeamento de sangue sendo que quando afetado torna-se dilatado e as fibras musculares ficam esticadas ao máximo. A cardiomiopatia dilatada provoca portanto maior dificuldade em comprimir e encurtar o sangue para fora do coração.

    Esta condição não provoca necessariamente sintomas podendo por isso para algumas pessoas ser fatal. Esta é a mais comum causa de insuficiência cardíaca ou seja a incapacidade do coração em fornecer oxigênio na quantidade adequada para os tecidos e órgãos.

    A cardiomiopatia dilatada pode afetar pessoas de todas as idades e de ambos os sexos. Existem alguns tratamentos disponíveis com o intuito de promover uma melhora no fluxo sanguíneo e uma redução nos sintomas. Não deixe de consultar um médico periodicamente de forma a manter o organismo monitorado e protegido desta e de outras condições.

    Miocardiopatia dilatada

    Como se adquire?

    A condição é provocada por uma dilatação do coração que faz com que o músculo cardíaco enfraqueça e com que o sangue não seja bombeado adequadamente para o corpo. Muitas vezes não é possível saber a causa exata da condição sendo chamada de cardiomiopatia dilatada idiopática.

    Algumas das causas da cardiomiopatia dilatada podem ser: defeitos congênitos doenças autoimunes infecções por vírus bactérias fungos ou parasitas carga genética abuso do álcool uso frequente de medicamentos e exposição a toxinas por exemplo. Além disto alguns fatores são considerados de risco para tanto tais como hipertensão arterosclerose problemas nas válvulas cardíacas histórico de infarto distúrbios nutricionais distúrbios metabólicos e doenças neuromusculares.

    Sintomas

    Normalmente a cardiomiopatia dilatada provoca sintomas somente quando os músculos já estão enfraquecidos e o órgão dilatado. Os sintomas mais comumente observados são fadiga fraqueza inchaço no abdômen falta de ar desmaios vertigens tonturas ganho de peso repentino tosse persistente inchaço nas pernas e nos tornozelos falta de apetite pele pálida palpitações no coração e sensação de batimento cardíaco acelerado.

    Diante destes sintomas um médico deve logo ser procurado. Caso um membro de sua família for diagnosticado com a condição não deixe de realizar exames para verificar se a sua saúde está ok. Quanto antes a cardiomiopatia dilatada for detectada melhor será o tratamento.

    Diagnóstico

    Diante dos sintomas da cardiomiopatia dilatada é fundamental consultar um médico. Um exame físico cuidadoso será feito e o médico fará algumas perguntas sobre o estilo de vida e os hábitos alimentares do paciente. Perguntas sobre o histórico da família também serão feitas assim como o médico irá verificar se os batimentos cardíacos estão regulares se há inchaço nas pernas ou acúmulo de líquido nos pulmões por exemplo.

    Um exame de sangue pode ser necessário assim como uma radiografia do tórax geralmente é solicitada. Um eletrocardiograma também costuma ser pedido para o diagnóstico da cardiomiopatia dilatada. O cardiomiopatia dilatadaecocardiograma é o exame mais eficiente para o diagnóstico da condição sendo que alguns médicos costumam solicitar além destes exames a realização de um teste ergométrico. A tomografia computadorizada e o cateterismo cardíaco também podem ser realizados para tanto.

    Tratamento

    O tratamento da cardiomiopatia dilatada visa a redução dos sintomas e controle das causas quando estas são conhecidas de forma a evitar mais danos ao coração. Diversos medicamentos podem ser usados para esta finalidade sendo comum o uso combinado de vários deles.

    Dispositivos como o marcapasso podem ser implantados para ajudar a controlar a condição assim como o cardiodesfibrilador implantável. Em casos mais graves ou em casos de não resposta aos medicamentos e outras abordagens de tratamento pode ser indicado realizar um transplante de coração.

    A cardiomiopatia dilatada deve ser detectada o quanto antes. Algumas das complicações possíveis são insuficiência cardíaca edemas arritmias embolia e parada cardíaca. A condição quando não tratada pode levar à morte.

    Prevenção

    A cardiomiopatia dilatada não pode ser evitada muitas vezes devido à carga genética por exemplo. No entanto todas as pessoas devem ter cuidado com o coração sendo que simples medidas no dia a dia são capazes de minimizar os danos ao órgão e de prevenir o surgimento de doenças relacionadas a ele.

    É altamente indicado não fumar e evitar o consumo de bebidas alcóolicas. Manter uma dieta equilibrada é fundamental assim como evitar o consumo de frituras e de doces. Não faça uso de drogas pois elas só trazem malefícios à saúde. Procure ficar dentro do peso adequado e realize exercícios físicos. Além disto não se esqueça de consultar um médico periodicamente e de realizar os exames de rotina de forma a manter o organismo monitorado e protegido desta e de uma série de outras doenças.

    Deixe uma resposta