Recupere o seu sorriso | SAPO Lifestyle

0
37

Tem passado vários anos a esconder os seus dentes? Não sorri com facilidade? Gostaria de ter uns dentes mais alinhados?

Se respondeu que sim a todas as questões, este artigo é para si! Convidamo-lo a conhecer tudo o que os médicos especialistas podem fazer pelo seu sorriso. Surpreenda-se!

Ate há bem pouco tempo, ter um aparelho nos dentes, era quase património exclusivo das crianças. Actualmente, é cada vez mais frequente ver adultos a usar correctores dentais.

A razão para esta realidade prende-se com o facto de podermos contar, actualmente, com novas técnicas de Ortodontia. O problema que, muitas vezes, vem da infância, tem agora várias soluções à vista.

As opções à sua escolha

As opções à sua escolha

Ter aparelho nos dentes deixou de ser motivo de vergonha. Pelo contrário, este tipo de tratamento é cada vez mais procurado «por motivos estéticos», explica João Azevedo, especialista em Implantologia e Reabilitação Oral das Clínicas Vital Dent.

Há uns anos, os conhecimentos, os métodos e as condições económicas não eram suficientes para esta prática. «Actualmente, há cada vez mais pacientes a recorrer a esta técnica». Além dos motivos fundamentalmente estéticos, «podem haver factores funcionais relacionados com a fala e com a mastigação que também justificam as práticas de Ortodontia».

Existem duas modalidades ortondônticas: a convencional (ou fixa) e a removível. A visita prévia ao especialista permitirá delinear o plano mais adequado ao problema de cada paciente, sendo mais frequente utilizar aparelhos fixos, nos adultos.

Ortodontia removível ou preventiva

Ortodontia removível ou preventiva

Assenta na utilização de alinhadores transparentes, feitos à medida, que podem ser extraídos pelo próprio paciente. Por norma, são mais adequados às crianças.

Regra geral, os aparelhos removíveis não se adequam aos adultos «porque não conseguem exercer força suficiente para o movimento dos dentes», revela João Azevedo. «Os adultos devem usar aparelhos fixos», prossegue o especialista, «pois o procedimento de formação dentária já terminou e devem ser feitas forças que não são sustentadas nos aparelhos removíveis».

Esta técnica pode também ser intitulada de ortodontia preventiva, «utilizada sobretudo para evitar situações mais graves no futuro», acrescenta ainda.

Ortodontia fixa

Ortodontia fixa

Consiste na fixação de braquetes nos dentes para reposicioná-los (os braquetes são o apoio que fixa o arame do aparelho ao dente). É o tratamento indicado para devolver ao paciente uma correcta função da mastigação, equilíbrio nos músculos da face e um sorriso estético, podendo ser aplicado em crianças, jovens, adultos e em pacientes de idade avançada. São usados materiais que exercem uma pressão constante no dente.

Veja na página seguinte: Como funciona o processo

Qual é o procedimento?

Qual é o procedimento?

Os braquetes (apoio que fixa o arame do aparelho ao dente) são colados em cada dente com a ajuda de uma massa feita à base de resina. Posteriormente, é colocado um arame que serve para provocar a força necessária ao alinhamento dentário.

Os dentes mal posicionados vão sendo colocados na posição correcta, aos poucos. Para que isso aconteça, o paciente deverá frequentar consultas de manutenção, na maioria dos casos, com periodicidade mensal. O tempo médio de que o paciente fica com o aparelho fixo é entre 18 e 30 meses, dependendo dos casos.

Os 2 tipos de Ortodontia fixa

Os 2 tipos de Ortodontia fixa

A visível utiliza braquetes muito pequenos que podem ser de diferentes tipos: metálicos, de cerâmica, de porcelana ou de plástico. Os cerâmicos têm uma cor similar à dos dentes, sendo quase transparentes. «Utilizamos mais os braquetes metálicos, pois trazem mais resultados», revela o especialista João Azevedo.

A invisível é conhecida como Ortodontia lingual e consiste na colocação de braquetes na parte interior do dente, sendo totalmente invisível aos olhos. Apesar dos seus benefícios, João Azevedo defende que esta técnica «ainda se está a tentar impor em Portugal».

Texto: Cláudia Pinto

artigo do parceiro:

Compartilhar
Artigo anteriorRecupere a pele depois das férias
Próximo artigoRecupere o sorriso perdido num ápice

Deixe uma resposta