Redução do peito melhora autoestima de muitas mulheres

Muitas queixam-se que saem ao pai mas outras também reclamam pelo tamanho excessivo. Se o seu peito se transformou num problema físico e psicológico difícil de lidar, como sucede com muitas mulheres, a cirurgia pode ser a solução. Os resultados são muito satisfatórios, desde que consulte um especialista devidamente certificado e prestigiado. A Ultimate Beauty ajuda-a a conhecer as vantagens da mamoplastia de redução e a tomar a decisão que anda a adiar há tanto tempo.

Para definir se o volume do seu peito é adequado ou excessivo, deve-se ter em conta as características do corpo, nomeadamente o peso, a altura, a largura do tórax e a estrutura músculo-esquelética. Contudo, é a própria mulher que deve optar (ou não) pela sua redução. «Não cabe a ninguém a opção de realizar esta cirurgia, mas apenas à mulher que, depois de várias análises, decide avançar com essa decisão», fundamenta o Fernando Exposto, cirurgião plástico.

«A redução mamária deve ser a solução quando «a mulher está insatisfeita com o tamanho dos seus seios e isso lhe traz consequências físicas e psicológicas», afirma ainda o especialista. Quando decidir reduzir o tamanho dos seus seios, a primeira coisa que deve fazer é consultar um especialista em cirurgia plástica reconstrutiva e estética. A escolha do cirurgião depende de vários fatores mas o fundamental é que seja um cirurgião com experiência.

A primeira visita ao especialista

É muito importante que a primeira visita seja efetuada com o especialista que a irá operar e não com um assistente ou comercial, para que possa revelar-lhe quais as suas expectativas e o que espera conseguir após a cirurgia. Só um médico especialista está em condições de lhe dar a informação mais séria e específica para o seu caso. «Antes da primeira consulta, deverá estar consciente de que quer uma mama mais pequena», recomenda Fernando Exposto.

«Antes de ir à consulta, deve anotar numa folha de papel todas as perguntas que pretende fazer ao cirurgião que a vai consultar», acrescenta ainda o especialista. Podem ser operadas mulheres a partir dos 18 anos. Antes desta idade, tal só é possível com o consentimento dos pais ou encarregados de educação. Durante a primeira consulta, o médico escutará as suas dúvidas e tentará saber se está consciente do que significa uma cirurgia.

Deste modo, pode determinar se compreende tudo o que implica a operação a realizar e se as suas expectativas acerca dos resultados esperados são realistas. Depois, procederá a um exame detalhado do tamanho e das medidas dos seus seios. O especialista irá efectuar uma palpação para saber se existem possíveis assimetrias e as diferenças entre um seio e outro, possivelmente, nunca identificadas por si.

A importância do historial clínico detalhado

Realizará, de seguida, um historial clínico detalhado, perguntar-lhe-à os seus antecedentes, se tem alergias e se toma medicamentos. De acordo com os resultados da primeira consulta, o cirurgião irá propor-lhe a técnica mais apropriada ao seu caso e irá explicá-la detalhadamente, informando-a de possíveis riscos inerentes à cirurgia, de como se desenrolará a mesma, o tipo de anestesia e o pós-operatório.

«Chamamos ainda a atenção para as cicatrizes que a paciente irá ter para o resto da sua vida», sublinha Fernando Exposto, uma vez que, ao contrário da mamoplastia de aumento, a redução deixa sempre cicatrizes visíveis. «Nesta primeira consulta, temos por hábito fazer a marcação com uma caneta na pele, para explicar onde se vai cortar e para mostrar o posicionamento do mamilo», explica Fernando Exposto.

Veja na página seguinte: O que acontece na segunda visita ao especialista

Ver artigo completo

Deixe uma resposta