Repulpar é a nova tendência da cosmética

0
48

Repulpar é o ato de preencher a pele. O verbo não existe no dicionário português, mas esta seria a designação provável para o termo adotado pela cosmética em várias línguas. «Repulper» em francês e «to plump» em inglês. Como é tendência no universo da beleza, as fórmulas que oferecem um efeito repulpante são inspiradas no tratamento do momento nos consultórios dos dermatologistas, os fillers.

Como explica Manuela Cochito, médica dermatologista, «os cremes acompanham as mudanças de tratamentos médicos». «Até há algum tempo o efeito tensor, o chamado lifting, era o mais procurado. Atualmente, como o método de rejuvenescimento mais utilizado pelos especialistas é o preenchimento da pele, ou filling, a cosmética adotou essa designação», esclarece a especialista.

Lifting versus filler

Se o ato de repulpar ou preencher pretende combater as rugas, deixando uma pele com um ar mais jovem e se o objetivo do lifting é também o de lutar contra o envelhecimento da pele, qual é então a grande diferença entre eles? «Teoricamente, o ato de repulpar consiste em criar um edema na pele, preenchê-la, enquanto que o lifting estica», explica Manuela Cochito. «Só que para esticar, normalmente, também acaba por se fazer um pouco de edema», sublinha.

Portanto, ambos acabam por ter o mesmo resultado. A diferença está mais na técnica utilizada nos tratamentos realizados em consultório que a cosmética reproduz. «Se tem um efeito mais lifting, os cremes vão ter uma ação lifting. Se é mais utilizado o laser, a cosmética vai dizer que tem um efeito laser. Se o tratamento é à base de fillers, então os cremes vão querer preencher ou repulpar», esclarece ainda.

O ingrediente estrela

Existem várias substâncias utilizadas para preencher a pele, mas o ácido hialurónico é a que mais se destaca. «Além de ser um belíssimo hidratante, este ingrediente capta a água, preenchendo a pele», refere Manuela Cochito. Juntamente com outras substâncias que compõem o creme, «as fórmulas que o contêm estimulam a produção de colagénio (a fibra que dá suporte à pele), o que no fundo confere volume à pele», explica.

O efeito repulpante não se limita «a tirar aquela ruguinha, ele vai também dar um aspeto de pele preenchida, sem que fique com aquele ar de amarrotada», conclui. É também graças a este ingrediente que os cremes repulpantes têm um efeito mais imediato, não tendo de se esperar dias para se confirmar que a sua promessa é realmente cumprida. Além disso, a textura dos cosméticos com ácidos hialurónico tende a ser «muito cremosa e agradável», tornando a aplicação mais fácil e agradável.

Outro benefício do ácido hialurónico é o facto de ser «muito bem tolerado, não costumando desencadear qualquer tipo de alergia», como sublinha a especialista. Contudo, a especialista alerta para o facto de isso não ser sinónimo de que os cremes que o contêm não sejam alergénicos, uma vez que contêm outras substâncias.

Veja na página seguinte: O alvo preferencial destes tratamentos

Ver artigo completo

Compartilhar
Artigo anteriorReorganizar para renascer por entre as cinzas
Próximo artigo“Resistam”. A mensagem da Greenpeace numa grua em Washington

Deixe uma resposta