Seis regras de ouro para preencher o IRS sem erros

0
41

A época de entrega das declarações de IRS, relativas aos rendimentos de 2014, já começou em março e prolonga-se até ao final de maio. Mas para a maioria dos portugueses – aqueles que trabalham por conta de outrem ou são pensionistas e fazem a entrada da sua declaração de rendimentos através da internet ou então os contribuintes que têm rendimentos de outras categorias e que fazem a entrega em papel – abril é o mês em que têm de submeter as suas declarações nas finanças. Saiba mais no artigo “Já sabe quando tem de entregar o seu IRS?”

Se é este o seu caso, tome nota de algumas dicas para evitar cometer erros no seu IRS.

1. Não guarde a tarefa para os últimos dias:

Não relegue o preenchimento do seu IRS para os últimos dias do prazo legal. Não se esqueça que se o fizer em cima da hora, pressionado pelo tempo, mais facilmente cometerá erros. E esses erros podem custar-lhe caro. Mas não é apenas por esta razão que deverá entregar o seu IRS com algum tempo de antecedência antes do prazo final. Se o fizer atempadamente terá mais margem de manobra para solucionar algum problema que possa surgir durante o processo. Por exemplo: Imagine que perdeu a sua senha de acesso ao Portal das Finanças ou esta expirou. Se pedir uma nova ‘password’ ela demorará alguns dias até chegar às suas mãos. Da mesma forma, é bom lembrar que, por norma, nos últimos dias do prazo legal para a entrega das declarações, devido ao elevado fluxo de contribuintes, o Portal das Finanças costuma registar problemas de acesso. Se preencher o seu IRS atempadamente evitará esta fonte de ‘stress’ adicional. Leia o texto: Como preencher a declaração de IRS em 3o minutos

2. Preencha pela internet

A maioria dos contribuintes já prefere entregar o seu IRS pela internet, em detrimento de fazê-lo em papel. A opção eletrónica tem várias vantagens: por um lado dá maior liberdade aos contribuintes, pois podem submeter a sua declaração em qualquer dia e a qualquer hora, não estando sujeitos aos horários e às filas das repartições das Finanças. Mas as vantagens não se ficam por aqui. Ao preencher o IRS pela internet, a sua declaração já está pré-preenchida. Isto porque que alguns campos como os rendimentos, os descontos para a Segurança Social ou as retenções na fonte já estão inseridos. Esta funcionalidade facilita a tarefa aos contribuintes. Além disso, há uma vantagem adicional em entregar o IRS pela internet: se houver lugar a um reembolso, ele será processado mais rapidamente. Leia também o artigo “Cinco passos para preencher a declaração de IRS em 30 minutos”.

3. Organize a papelada antes de começar

Preencher a declaração pode ser uma dor de cabeça e são poucos os contribuintes que executam esta tarefa de sorriso nos lábios. Mas existem alguns truques que poderá utilizar para garantir que o processo é feito de forma rápida. O mais importante é ter a informação organizada. Além de ter consigo as declarações de rendimentos é importante que tenha separadas as despesas dedutíveis por áreas (saúde, educação, habitação, donativos, etc.). Tenha também à mão os documentos de identificação de todos os membros do agregado familiar. Leia também o artigo: “Saiba o que fazer pagar menos IRS”.

4. Leia as instruções

Apesar das declarações de IRS entregues pela internet estarem pré-preenchidas há muitos dados que têm de ser inseridos pelo contribuinte. E, no meio de tanta informação e tantos campos, nem sempre é fácil ter à mão toda a informação disponível para preencher corretamente o seu IRS. Por exemplo, uma das dúvidas mais comuns dos contribuintes prende-se, com o anexo H (relativo aos benefícios fiscais), no qual os contribuintes têm algumas dificuldades em conseguir identificar os códigos das despesas dedutíveis. Para ajudá-lo nesta tarefa poderá consultar o PDF dos formulários/impressos da declaração Modelo3 e dos seus anexos nesta área do Portal das Finanças. Isto porque nas últimas páginas dos anexos estão disponíveis instruções de preenchimento muito úteis para os contribuintes, bem como informação detalhada sobre os códigos das despesas dedutíveis e sobre as despesas que são aceites pelo Fisco. Socorra-se destes ficheiros pdf para esclarecer algumas dúvidas práticas sobre o preenchimento do seu IRS. Leia também o artigo: “Cinco formas de entregar o IRS”.

5. Peça ajuda

Se tem dúvidas sobre os campos onde deve declarar determinadas despesas, ou não sabe se uma dada fatura pode ou não ser aceite pelo Fisco o melhor é procurar ajuda para garantir que não comete erros. Essa ajuda pode ser obtida de diferentes formas. Por exemplo, se estiver a preencher a declaração online, no menu da aplicação encontra dois botões importantes, um que diz “Ajuda” (e que contém instruções de preenchimento) e outro intitulado “Ajuda por tema” (com informações mais detalhadas sobre cada um dos campos). Se mesmo assim não ficar esclarecido, saiba que as Finanças disponibilizam uma caixa de correio eletrónico, o E-Balcão, para onde os contribuintes poderão fazer chegar as suas dúvidas por escrito. Além disso, o Fisco tem ainda uma linha telefónica de apoio ao contribuinte (707206707), para ajudar a esclarecer as dúvidas que possa ter. “10 Números de telefone que deve conhecer”.

6. Verifique tudo antes de entregar

Antes de submeter a declaração (e este conselho é válido tanto para as entregas em papel como para as entregas feitas pela Internet), deverá certificar-se de que os valores estão bem preenchidos. Se notar que cometeu um erro no preenchimento depois de ter submetido a sua declaração, saiba que poderá entregar uma declaração de substituição e não sofrerá nenhuma penalização por isso, desde que o faça dentro do prazo final para a entrega do IRS. Se o erro for detetado até 30 dias após o prazo final, ficará sujeito a uma coima mínima de 25 euros. Caso o erro seja detetado mais de 30 dias após o prazo limite, o valor da coima a pagar pode ir até aos 112,5 euros. Leia também o artigo: “Reforma do IRS: Tudo o que vai mudar a partir de 2015”

Leia também:

Senhorios e IRS: Saiba tudo o que vai mudar

O que muda em 2015 no IRS de quem vai emigrar

Inquilinos: Quanto pode deduzir em rendas no IRS

Como validar despesas no E-fatura

O que fazer para que todas as despesas entrem no IRS

Como ficar isento do pagamento de IMI?

10 dúvidas sobre o IMI

Conheça o novo incentivo fiscal ao abate de automóveis

artigo do parceiro:

Compartilhar
Artigo anteriorSeis melhorias que deve fazer no seu perfil do LinkedIn
Próximo artigoSeja mais feliz no trabalho

Deixe uma resposta