Todas as mulheres têm corpo de modelo e estas marcas provam isso

O mundo é feito de diferenças e é a soma dessa diversidade que compõe o todo. Nem todas as mulheres têm corpos considerados perfeitos, nem todas podem ser modelos como as que desfilam na Victoria’s Secret e por isso há marcas que se distinguem ao fugir da norma.

Em março de 2016, uma campanha criada em parceria com a loja online The Dreslyn e a marca de lingerie Land of Women escolheu como modelo a francesa Yazemeenah Rossi, uma mulher, atualmente com 61 anos, que além de modelo é também fotógrafa e artista visual.

O objetivo desta campanha é mostrar que a moda de praia não tem de ser feita apenas a pensar em mulheres jovens e magras e que biquínis e fatos de banho podem ser usados por mulheres de todas as idades.

Yazemeenah Rossi já chegou a partilhar com o jornal The Sun o segredo da sua boa forma. Um dos principais cuidados da modelo é comer alimentos orgânicos, antes mesmo de se falar sobre este tipo de alimentação. Como cuidados de beleza, Yazemeenah opta por usar apenas ingredientes naturais como por exemplo usar azeite para tratar o seu cabelo.

O siteBright Side reuniu ainda cinco marcas de lingerie que quebraram com alguns paradigmas da moda. E nós mostramos-lhe quais são.

ModCloth

Esta empresa norte-americana, fundada em 2002 em São Francisco, caracteriza-se por ser divertida e por defender que a moda deve servir todos os tipos de corpo, disponibilizando um lote variado de escolhas em tamanhos plus size.

Como prova disso, a empresa decidiu convidar as próprias colaboradoras para participar na campanha publicitária da ModCloth em detrimento de modelos profissionais.

Lonely

Esta marca de lingerie sediada na Nova Zelândia tem tido críticas positivas ao utilizar mulheres com todos os tipos de corpo nos seus anúncios: magras, mais gordas, com tatuagens e com estrias.

O mote da Lonely é fazer todas as pessoas acreditarem que a lingerie fica bem a qualquer mulher.

Naja

O conceito do projeto em si já começa por ser inovador ao empregar mães solteiras ou donas de casa na produção das roupas, pagando-lhes acima do valor do mercado e proporcionando-lhes seguro de saúde além de uma maior flexibilidade laboral. A empresa também apoia os filhos das suas empregadas ao apoiar financeiramente o percurso escolar destas crianças.

Um dos objetivos da Naja é mudar a forma como as mulheres compram roupa interior, ao mesmo tempo que pretende fazer uma mudança na indústria. As fundadoras Catalina Girald e a atriz Gina Rodriguez, além de terem uma consciência social e ecológica muito forte quiseram criar uma marca que desse poder às mulheres em vez de as objetificar.

Recentemente um dos projetos da Naja foi o desenvolvimento da campanha “Nude for All” onde um grupo de mulheres comuns, com vários tons de pele, foram o corpo da linha de lingerie.

American Apparel

Esta marca ficou conhecida em 2014 graças à campanha com a modelo Jacky O’Shaughnessy: uma mulher de 62 anos que deu o corpo e o rosto à linha de roupa interior.

O mote desta campanha foi “Sexy has no expiration date”. (Ser sexy não tem data de validade, em tradução livre).

Curvy Kate

O nome, por si só, já diz muito sobre esta marca de roupa interior. Fundada em 2009, a Curvy Kate é feita a pensar nas mulheres mais curvilíneas mas em que o conforto e a qualidade são imagens de marca, de modo a favorecer a figura de quem usa esta roupa interior.

Este artigo foi atualizado a 13 de janeiro.

Deixe uma resposta