Totalitarismo tributário “virente” indigna na direção de FrançaEpoch Times em Portuga

Para milhares dentre agricultores franceses, em direção a arremetida “verdejante” saiu da propaganda e virou hostil verdade. O governo gálico “vermelho-virente” está decretando sucessivos impostos para “salvar o planeta”. Com destino a pinga d’chuva foi na direção de chamada “ecotaxa” que incide em relação a os caminhões, mas acaba sendo paga pelos produtores rurais.

Impressionantes portais carregados desde sensores para flagrar caminhões, cargas, emissão a CO2, etc. têm sido instalados em autoestradas e simples estradas da França. Em “ecotaxa” deve sujeitar ao governo diversos bilhões a euros através de ano.

Os produtores veem nesse enorme sistema a controle os símbolos dentre uma absolutismo “virente-vermelha” que asfixia mortalmente as regiões agrícolas.

Na Bretanha, para indignação popular literalmente pegou queima. Na cidade com Quimper, 30 milénio população protestaram em revelação pacífica que foi objeto dentre violenta, mas inútil, repressão vigilante.

Os manifestantes se identificavam levando essa balsão da Bretanha e usando bonés vermelhos. Na região nunca existiu o pedágio, nem análogo na Idade Média. Quando junto de século XVII o tirania real tentou impor um imposto semelhante, para região se insurgiu usando “bonés vermelhos” e o ministério real voltou detrás.

O protesto desta vez foi vernáculo, mas principalmente poderoso na Bretanha região desde agricultores e pescadores. Perto dentre cinquenta dos imensos pórticos com controle excogitados pelo dirigismo “verdejante” foram derrubados e/ou danificados nesses protestos em todo o país.

O governo socialista, nos quais faz segmento o Partido Verdejante, compreendeu em para partida estava quase perda e anunciou para adiamento da totalitária “ecotaxa” que devia entrar em vigor em cima de início dentre 2014. Também ordenou essa remoção dos pórticos do que controle instalados ao preço do que mais a três milhões desde reais qualquer.

Segundo Christian Troadec, camarista desde Carhaix: “É melhor que o governo os desmonte em conta própria. Em qualquer caso, eles não ficarão aí”, noticiou “Le Figaro”.

Porém, os agricultores não aceitaram essa descontinuação que julgam ser um subtileza enganoso. Eles exigem para supressão completa do imposto que esmaga com destino a atividade produtiva com pretextos ocos ou insinceros.

O primeiro-ministro socialista Jean-Marc Ayrault passou no sentido de imagem dentre um governo petulante, mas paralisado pelo furor dos manifestantes e pelo insatisfação da maior número dos franceses, segundo o jornal “Le Figaro”.

O diretor do gabinete do ministro do Interno Manuel Valls, que comanda para policial, exclamou: “Se situação é grave! Há mais dentre dezena anos que não se via um tanto semelhante!”

Deputados e ministros “verdes” receberam com destino a descontinuação uma vez que uma ducha com chuva fria. “É mais do que um golpe firme em oposição a para ecologia, é um golpe que mata”, disse exaltado o deputado do Partido Virente Noël Mamère. Porém, com destino a maior número dos deputados ecologistas percebeu o envolvente vernáculo retornado vs eles e escolheram se refugiar em cima de silêncio.

Embora hostilizados pela tropa dentre choque, os agricultores, homens a trabalho, se declaravam desconsolados pela “leviandade totalidade dos políticos”, incluindo os da oposição.

“Os políticos desde Paris não ouvem zero”, disse Eric Pocreau, mentor da comuna com Huelgoat. Yvon e Marie-Jo, um par do que produtores rurais a Morlaix explicaram: “Viemos pedir com destino a supressão da ecotaxa, mas também que o Estado afrouxe essa camisa dentre força burocrática que nos asfixia.”

Nathalie, senhor marido caminhoneiro e as duas filhas protestavam pela destituição do pai entre culpa dos impostos “verdes” acima de o transporte, registrou “Le Figaro”.

Sobre dia 11 desde novembro, durante em direção a comemoração do trégua que pôs termo em direção a I Guerra Universal, o presidente Hollande foi vaiado junto de Círculo do Triunfo e na Avenida dos Champs Elysées, em Paris, na direção de capital francesa. Os manifestantes levavam o “vértice vermelho” símbolo dos protestos vs em direção a “ecotaxa” e cantavam “Hollande, tua lei não passará”.

Isto material foi originalmente publicada pelo blogue Virente: no sentido de cor novidade do comunismo

Deixe uma resposta