Tratamento inovador indolor faz crescer cabelo

0
49

Em entrevista à Ultimate Beauty, Biscaia Fraga, o cirurgião que trouxe o equipamento para Portugal, explica como é feita a aplicação do dispositivo, desmistifica a alegada perigosidade dos lasers e das iluminações LED e ainda explica por que homens e mulheres reagem de modo diferente aos feixes de luz emitidos pelo dispositivo. «Os resultados no homem são mais espectaculares mas a mulher tem um sentido de apreciação estética diferente», assegura o especialista da clínica com o mesmo nome.

Porque é que é este tratamento é revolucionário face à grande evolução que a área da conservação capilar tem vindo a sofrer nos últimos anos?

É revolucionário, fundamentalmente, pela pesquisa que foi feita e pela experiência que foi demonstrada. Hoje em dia, há uma grande variedade de lasers. Há o laser cirúrgico, que corta. Há o laser que coagula, há o laser que retira pele.

Neste caso, os tais feixes de laser têm uma ação estimulante, uma ação física. Aquilo que se comprovou com este tipo de laser específico para o couro cabeludo é que, feito de acordo com a situação clínica, por isso é que este aparelho tem vários programas, ao fim de três meses está comprovado que estimula os folículos capilares.

O fabricante diz que há um resultado de 40%. Eu ainda não tenho essa experiencia, uma vez que tenho cá o aparelho há muito pouco tempo. A análise científica diz que este [dispositivo] tem uma capacidade de estimular objetivamente o couro capilar. No caso de uma pessoa que tenha um cabelo bastante fino e que tenha uma acentuada perda de cabelo, aquilo que ele faz é tornar o cabelo, ao fim de três meses, mais espesso, com uma textura, uma firmeza e uma consistência muitíssimo superior.

A parte inovadora deste laser é que é um tratamento totalmente indolor. É um tratamento conservador, que deve ser feito entre uma a duas sessões por semana, de acordo com a situação clínica do paciente, durante cerca de 20 a 25 minutos. E, ao fim de três meses, a pessoa vê resultados.

Aqui a particularidade é que, ao contrário da estimulação que atua a nível hormonal, quando é retirado o produto, o minoxidil, a situação começa a regredir, ao passo que a estimulação com o laser, como atua a nível do tecido e do próprio couro cabeludo, tem uma ação muito duradoura. É essa a grande diferença. Por isso, é que é muito inovador.

O iGrow é apenas a primeira fase do tratamento. Em termos mais práticos, como é que se processa essa intervenção inicial e como é que se conjuga e coordena com as fases seguintes?

Não é a primeira fase. É, digamos, um complemento do tratamento. Hoje em dia, um tratamento conservador é feito com laser. Depois, deve ser feita mesoterapia estimulante com minoxidil. E, depois, as vitaminas. O tratamento consta de três etapas e pode ser concumitante.

A pessoa faz o laser, de seguida é aplicado o minoxidil e um cocktail vitamínico ou, por exemplo, numa semana faz o laser e na semana seguinte faz a mesoterapia ou faz logo esse tratamento passados três dias, de acordo com a situação clínica. Em princípio, são três fases de tratamento, que inclui o laser, o choque vitamínico e a aplicação do minoxidil.

O fabricante do equipamento garante que, em 16 semanas de tratamento, consegue-se um crescimento de cabelo na ordem dos 40%. Uma pessoa que faça metade do tratamento em oito semanas regista um aumento de 20% e uma outra que o faça durante 32 atinge um crescimento na casa dos 80%. Há aqui uma proporcionalidade?

Neste tipo de tratamentos, o mínimo adequado são três meses. O ideal são seis meses de tratamento. Ao fim de seis meses, obtém-se um resultado sustentado. Ao nível do couro cabeludo, há autores que apontam para seis a nove meses de tratamento. Eu, para mim, acho que ao fim de seis meses a pessoa que se submete ao tratamento já tem um resultado consolidado.

Muitas pessoas ouvem falar em lasers e em iluminação LED e ainda se assustam ou, pelo menos, receiam este tipo de tratamentos. São mesmo seguros?

Hoje em dia, os lasers são cada vez mais seguros. Eu todos os dias utilizo o laser e vários tipos de laser. Só para dar um exemplo, o primeiro laser que surgiu foi devido à guerra. O grande objetivo do laser era dirigir com precisão cirúrgica misseis com capacidade altamente destrutiva. Mas o laser, hoje, é utilizado num dos órgãos mais sensíveis do corpo humano, que é a retina. Já ouviu seguramente dizer pessoas dizerem que foram fazer uma cirurgia com laser à retina.

O laser faz a fotocoagulação minuciosa dos vasos patológicos da retina, que podem romper. E, se houver um deslize ou um desvio desse laser, a pessoa pode ficar cega. Portanto, imagine a delicadeza que é. Hoje em dia, os lasers têm um rigor e uma precisão incríveis. Compreendo que existam pessoas que possam ter dúvidas mas o laser, hoje, é muito utilizado, por exemplo, nas neurocirurgias.

E calcula-se que, dentro de poucos anos, se vai deixar de abrir o crânio para se ir dentro do cérebro com o laser. Na cirurgia plástica, um dos dramas que existia era que o laser destruía a camada superficial da pele. Hoje em dia, tenho lasers que me permitem fotocoagular um vaso que está dois milímetros abaixo da pele e que não tocam na epiderme.

A epiderme fica intacta e vai fotocoagular o vaso. Esta tem sido uma das áreas que tem evoluído vertiginosamente. Em relação à cirurgia plástica, têm sido a física e a química que, nos últimos anos, têm dado um impulso à cirurgia estética de uma forma brutal.

Em relação à iluminação LED também não há motivo para preocupação?

Não. Têm é que, em primeiro, se saber utilizar. Isso é indiscutível! E, em segundo, tem que se dominar a matéria e têm que ser usados muito criteriosamente e por pessoas que sabem, como é evidente. Tenho apanhado muitos casos, por exemplo, dessa pandemia… Não foi uma epidemia, foi uma pandemia, do laser dos pelos.

Compartilhar
Artigo anteriorTratamento facial inovador para um rosto rejuvenescido
Próximo artigoTratamentos anti-rugas | SAPO Lifestyle

Deixe uma resposta