Tudo o que pode fazer contra a celulite

0
47

Se é mulher, mesmo que seja tendencialmente magra, as probabilidades de ser afetada pela celulite são de 90%, sobretudo se for caucasiana.

Atualmente, tem ao seu alcance, além de produtos anticelulíticos e de formas preventivas que passam pelo desporto e pela alimentação, novas armas para a travar
e combater, assentes em técnicas cada vez mais eficazes e inovadoras, a que pode recorrer.

Embora, tal como refere
António Cardoso Tavares,
cirurgião plástico
no Hospital Particular, em Lisboa,
«a partir dos 40 anos, as mulheres
raramente sejam afetadas pela
celulite e sejam, isso sim, afetadas
pela falsa celulite (deformação
resultante da flacidez da pele, com
depressões que simulam a pele tipo
casca da laranja), em idades
mais precoces, o aparecimento
desta inestética distribuição de
gordura é influenciado por vários
fatores, alguns deles evitáveis,
outros nem por isso.

De acordo
com o especialista, «a celulite pode
demorar anos a formar-se mas,
uma vez que aparece, e se não for
tratada, tem tendência para agravar
e tornar-se irreversível. Por outro
lado, existem casos em que, mesmo
que se faça tudo para a evitar,
não se consegue». Para sair deste círculo, há que
evitar as causas que provocam
celulite (exceto as que não se
podem mudar, como a genética),
atacando as suas principais caraterísticas.

Conhecê-la ajuda a evitá-la

Em medicina é conhecida como
lipodistrofia ginóide, que corresponde
à síndrome de pele tipo casca
de laranja ou pele acolchoada.
Ao contrário do que a maioria das
pessoas julga, «a celulite não corresponde
a acumulações de gordura
(acumulações localizadas ou lipodistrofias
localizadas) mas sim a alterações
do metabolismo e da arquitetura
das células de gordura (por
isso, também aparece em mulheres
magras)», explica António Cardoso
Tavares.

Na celulite não há
aumento do tecido adiposo mas sim
a deformação da arquitetura do
mesmo em determinadas zonas do
corpo, que dá origem a nódulos de
gordura, água e toxinas. Provoca
uma alteração na forma corporal
feminina e costuma aparecer na
parte externa das coxas e interna
dos joelhos, glúteos e abdómen.
Note-se que muitas mulheres podem
associar os dois tipos de deformação
(celulite e lipodistrofias
localizadas) na mesma ou em diferentes
regiões anatómicas.

Nas mulheres, a celulite aparece
a partir da puberdade de forma
natural, e faz parte das suas caraterísticas
sexuais secundárias.
É o resultado de uma alteração da
microcirculação na camada gorda,
a hipoderme.

Mas há mais fatores
que a influenciam, nomeadamente hormonais (sobretudo as hormonas
femininas e tiroideias), circulatórios (alterações na
microcirculação e retenção de
líquidos), neurovegetativos (como o
stress e a instabilidade emocional), genéticos ou étnicos (as mulheres brancas apresentam
mais celulite do que as de raça negra,
as latinas costumam tê-la nas pernas
e glúteos e as nórdicas no abdómen), hábitos alimentares e estilo
de vida (se faz exercício, se fuma ou
não).

Como se pode prevenir

Segundo António Cardoso Tavares,
«neste momento do conhecimento,
não podemos dizer que a celulite se
pode prevenir». Aquilo que pode
fazer, segundo o especialista, é
concentrar-se nos «hábitos alimentares
e no estilo de vida para tentar
evitar a sua progressão».

Ao nível da alimentação, evite o excesso
de peso, reduza a ingestão de sal
(retém líquidos), beba água abundantemente,
inclua fibras na sua
alimentação porque combatem a
prisão de ventre (que piora a celulite),
reduza a ingestão de açúcares
refinados e de gorduras saturadas,
e dê prioridade aos hidratos de
carbono de absorção lenta (farinhas
integrais, frutas, verduras) e às
gorduras mono e poli-insaturadas
(ómegas 3, 6 e 9). Para potenciar os efeitos dessas ações, não abuse do
café nem do álcool.

Evite também o tabaco e fuja do sedentarismo
e aposte no exercício físico, que
estimula o retorno venoso nas
pernas e diminui a camada de tecido
subcutâneo (contribuindo para
diminuir alguns dos fatores que
estão associados à celulite). Reduza
o stress ou, pelo menos, aprenda a
geri-lo positivamente com meditação
ou yoga. E se fizer tratamentos
anticelulíticos, coloque-se sempre
nas mãos de profissionais competentes.

Veja na página seguinte: As diferentes classes da celulite

As classes da celulite

Tal como explica António Cardoso
Tavares, existem três tipos de celulite, a de grau 1, 2 e 3.

Celulite de grau 1 (lipodistrófica
ou adiposa)
Há deformação
em casca de laranja quando se
pinça a pele e aumento de consistência
à palpação, mas o restante é
normal. Aparece na mulher jovem.

Celulite de grau 2 (hidrolipodistrófica
ou edematosa)
Nota-se a deformação em casca de laranja,
quando em pé e ao pinçar a pele.

A palpação tem uma consistência
mais elástica e aparece habitualmente
perto dos 30 anos.

Celulite de grau 3 (fibrolipodistrófica ou fibrosa)

A deformação em casca de laranja
nota-se quer deitada quer em pé e a
palpação revela nódulos de consistência
dura que podem ser dolorosos.
É a mais grave e irreversível.

Para além destes três tipos,
«temos ainda a considerar as lipodistrofias
localizadas (depósitos de
gordura localizada), em que não há
alterações da superfície da pele, e a
falsa celulite, em que as irregularidades
da pele se devem à flacidez.
É característica das mulheres com
mais de 40 anos», remata António
Cardoso Tavares.

Como se reduz

Paula Henriques, nutricionista e
diretora da Clínica iCare, em Lisboa,
revela, de seguida, algumas
sugestões para combater os diferentes
tipos de celulite:

Exercício físico
«Para
combater a celulite é importante
praticar exercício físico regular,
como caminhada, dança, bicicleta
ou natação, que estimulam o
metabolismo e a combustão de
gorduras. Deverá efetuar alguns
exercícios localizados como agachamentos,
leg press (treino de
pesos individual, no qual a pessoa
empurra um peso para longe dela,
usando as pernas) e trabalho de
glúteos».

Alimentação
Tal como
aconselha Paula Henriques, o melhor
a fazer, a nível alimentar, para
combater a celulite, é seguir as seguintes dicas, nomeadamente:

– Optar por uma alimentação rica
em frutas e verduras, ricas em fibra

– Reduzir a ingestão de gorduras, nomeadamente
molhos gordurosos, queijos gordos,
bolachas recheadas, chantilly, biscoitos
amanteigados e gelados são
alimentos proibidos

– Evitar ingerir produtos açucarados.
Prefira as massas aos doces

– Escolher fontes magras de proteínas,
como aves, peixe e carnes
brancas, em vez de carnes gordas

– Comer devagar e mastigar bem
os alimentos favorece a digestão e
ajuda a comer menos

– Aumentar a ingestão de água. Ingira aproximadamente 2 litros por
dia

– Reduzir a quantidade de gordura
nos cozinhados e optar sempre pelo
azeite

– Preferir alimentos integrais. São
boas fontes de fibra e ajudam a
diminuir a absorção de gorduras,
para além de contribuírem para a
regulação do intestino

– Reduzir o consumo de sal, substituindo-o por ervas aromáticas no
tempero dos alimentos. O sal contribui
para a retenção de líquidos no
organismo e para o avanço da
celulite

– Evitar a ingestão de refrigerantes
e bebidas alcoólicas, pois estes fornecem somente calorias sem
qualquer valor nutritivo. Prefira
sempre sumos naturais ou água e
até refrigerantes light, desde que o
faça com moderação.

Veja na página seguinte: Os suplementos e os tratamentos recomendados

Suplementos
«Tome um
suplemento drenante e desintoxicante
e escolha um suplemento
para acelerar a queima de gorduras
como, por exemplo, o CLA, se praticar
exercício físico», sugere
a nutricionista.

Tratamentos

Atualmente, existem inúmeros
tratamentos muito eficazes na guerra
à celulite. Desde massagens manuais,
até equipamentos modernos que
recorrem a diferentes tecnologias
para queimar gordura, ativar a
microcirculação, e uniformizar a pele
tipo casca de laranja.

«A Clínica
iCare dispõe de um vasto leque de
tratamentos que ajudam a reduzir a
celulite mas, antes de mais, é necessário
efetuar uma avaliação para
saber quais as melhores opções para
o caso em questão, quer em termos
de tratamento, quer em número de
sessões», adverte Paula Henriques.

Para além disso, a diretora da iCare
sugere que os tratamentos sejam
sempre acompanhados de «massagens
diárias em casa, com cremes
anticelulíticos, drenantes, adelgaçantes
e refirmantes, de modo a estimular
a circulação». Saiba, de seguida,
quais os tratamentos mais indicados
para cada tipo de celulite.

Se tem celulite de grau 1, o velashape pode ser uma boa ajuda. Este equipamento
que emite radiofrequência bipolar,
energia térmica infravermelha e
sucção pulsada através de um manípulo
aplicado diretamente na pele.
A aplicação deste manípulo sobre a
pele, em manobras muito intuitivas,
promove a redução rápida e visível da celulite e da flacidez logo a partir
do primeiro tratamento.

Se a sua celulite classifica-se como sendo do grau 2. Pode optar por endermologia ou drenagem linfática manual. A endermologia é uma técnica
que permite enrolar e desenrolar a
prega cutânea, melhorando a drenagem
linfática e restaurando o
tecido. Reduz a celulite, a gordura
localizada e ativa a circulação. Já no caso da dernagem linfática manual é feita uma
massagem dirigida para facilitar a
eliminação das toxinas acumuladas
nas células. Não só ativa a circulação
linfática como melhora muito o
aspeto da celulite.

Para a celulite de grau 3 existem cinco tipo de tratamentos que a podem ajudar, sobretudo ultrassons, termoslim, carboxiterapia, mesoterapia e velashape. No caso dos ultrassons são emitidas ondas
que provocam a quebra das
células de gordura e dos nódulos
fibrosados já instalados. O termoslim consiste na utilização terapêutica
de uma manta de sudação
que aumenta a temperatura dos
tecidos. Acelera o metabolismo
basal e, com isso, a combustão de
calorias, favorecendo o emagrecimento
e a diminuição da gordura,
e consequente melhoria da celulite.

A carboxiterapia consiste na
infiltração subcutânea de dióxido
de carbono medicinal. Este gás
melhora a microcirculação e a
oxigenação dos tecidos, ajudando
a dissolver os nódulos de celulite
e a rutura das células de gordura. A mesoterapia Trata-se da
infiltração local de substâncias que
agem contra a celulite e promovem a
combustão de gordura localizada.

A mesoterapia também pode ser
usada para lutar contra a flacidez,
caso as substâncias infiltradas tenham
propriedades tonificantes,
como o silício orgânico. Tem uma
ação lipolítica, microcirculatória e
drenante. Finalmente, o velashape promove a redução rápida e visível da celulite e da flacidez.

Texto: Madalena Alçada Baptista com António Cardoso Tavares (cirurgião plástico no Hospital Particular) e Paula Henriques (nutricionista e diretora da Clínica iCare em Lisboa)

Compartilhar
Artigo anteriorTudo o que devemos saber sobre a nossa pele
Próximo artigoTudo o que precisa de saber para umas férias na neve em grande estilo

Deixe uma resposta