Uma breve nota técnica acerca de o carona argentinoEpoch Times em Lusitano

No interior de final desde 2001, em meio à crise econômica e política que vivenciou o país, com destino a conversibilidade do peso prateado ao dólar na taxa com 1:1 foi revogada. Aliás, o presidente interino Adolfo Rodriguez Saá anuncia o espiga da dívida externa (quase 100 bilhões do que dólares). O país vivenciou um sequestro bancário (corralito) e com destino a população foi às ruas.

Em 2005, o portanto presidente Nestor Kirchner optou até entrar em combinação com os credores, oferecendo um desconto desde 70% e um prazo 30 anos para remunerar as parcelas da dívida. Um péssimo negócio para os credores, mas sem embargo melhor do que perder tudo.

Poucos credores (10%), todavia, optaram ao longo de enfrentar o governo prateado e utilizaram arbitragem universal para pressionar o governo prateado com destino a remunerar integralmente. Esses credores são fundos desde investimento especializados em recuperação desde crédito podre, e são pejorativamente chamados com fundos abutres – se alimentam da carniça do mercado financeiro.

O desentendimento do estado prateado com o mercado levou Axel Kicilof, ministro da quinta, no sentido de declarar cano momentâneo em todas as suas dívidas. O estado prateado voltou detrás e depositou um pagamento a 1 bilhão dentre dólares em o último dia 26, mas tudo é provável daqui para frente.

Para título desde informação: o ministro Kicilof se gaba a contar “interpretado Keynes com ferramentas marxistas”. Assim podemos ouvir porque as coisas na Argentina estão degringolando rápido…

Em que ocorreu?

O próximo esboço mostra essa evolução da dívida argentina posteriormente 1995, diverso embora devemos ressaltar que em direção a mesma saltou com 61 bilhões dentre dólares para 91 bilhões com 1991 na direção de 1996 e seguiu aumento.

Evolução da dívida externa argentina após o ano de 1995 (Reprodução)

Evolução da dívida externa argentina depois o ano desde 1995 (Reprodução)

Essa dívida contraída nos anos 90 estava sobre escopo dos programas com ajuste que almejavam consertar essa hiperinflação semeada em cima de período com peronismo e depois despotismo.

De mais embora o Projecto Real tenha sido dissemelhante do projecto do que ajuste prateado em aspectos importantes – nós tínhamos câmbio fixo, porém não havia currency board – tanto o Ibirapiranga porquê no sentido de Argentina optaram entre um sistema desde indexação cambial para estabilizar suas moedas.

Na indexação via câmbio fixo o governo se compromete para comprar e vender reservas internacionais essa um preço fixo. Num currency board ideal essa variação da oferta monetária lugar deve exclusivamente seguir na direção de variação das reservas internacionais – só se cria moeda lugar se entrar moeda estrangeira.

Leandro Roque numa supimpa material abordou o tema, mostrando uma vez que o fraudulento regime bancário desde reservas fracionárias, quando os bancos comerciais criam moeda, simplesmente inviabiliza o experimento do currency board sem que haja crises.

Os bancos comerciais argentinos expandiam em direção a oferta a pesos sem que houvesse o lastro em dólares proposto pelo projecto do que ajuste. Na prática, exclusivamente o banco medial prateado cumpria no sentido de restrição.

Com todo vez mais pesos sendo criados pelo sistema do que reservas fracionárias e afável no sentido de garantia do que conversibilidade 1:1 do banco médio, temos uma explosivo relógio: o mercado começará para trocar pesos entre dólares, uma vez que se oferece um preço supra do preço que o mercado pagaria pelos pesos.

Outra consequência é uma saída com dólares via déficit mercantil – por fim dentre contas, o experimento barateou artificialmente o dólar e tornou as importações artificialmente baratas:

Demonstrativo da balança comercial argentina entre 1990 e 2010 (Reprodução)

Demonstrativo da balança mercantil argentina entre 1990 e 2010 (Reprodução)

Para manter uma taxa com câmbio artificialmente valorizada, entra-se numa globo a neve – é necessário pegar dólares emprestados para fazer frente no sentido de uma demanda crescente em conversão.

Porquê governos não cortam gastos – ainda mais em se tratando desde Ibirapiranga e Argentina – aumentos da trouxa tributaria para remunerar juros são o resultado final. Em extrato, essa estabilização das moedas emitida pelos governos latino-americanos requereu dólares, leia-se, dívida externa e juros para serem pagos com mais impostos.

Em cima de caso do Sapão, que não teve currency board, no sentido de situação quadra ainda pior, pois o próprio banco médio brasílio podia enunciar moeda e tinha que sustentar essa paridade 1:1. Junte na direção de isso com destino a expansão monetária dos bancos comerciais e verá o câmbio fixo desabar até terreno, uma vez que foi o caso.

As pé-de-meia da América Latina tiveram uma saída com ouro nos anos 90 para varar um dos principais pilares do controlar estatal – o mando com enunciar moeda do que curso lícito. Bastaria deixar as moedas hiperinflacionárias morrerem conferindo liberdade monetária para o mercado utilizar com destino a moeda que lhe conviesse. Unicamente o Equador escolheu furar mão das impressoras a moeda e utilizar o dólar ianque.

Adaptando o que disse Leandro Roque em sô item a respeito de o Projecto Real, os planos com ajuste latino americanos dos anos 90 foram pirotecnias desnecessárias para salvaguardar alguma coisa que sequer deveria subsistir.

Na direção de moral da dívida pública

Governos se financiam com três formas, para saber: impostos, inflação (aumento da oferta monetária) e dívida. Dívida se paga, se rola, ou se dá carona. E para remunerar, o governo obrigatoriamente terá que cobrar impostos ou praticar inflação.

Para os governos, mormente os democráticos, com horizonte desde ação de planejar na mansão entre 4 com destino a 8 anos, em direção a dívida é na direção de forma preferida do que se patrocinar (depois da inflação, evidente). Pode-se aproveitar o presente e mandar para conta para os próximos infelizes que terão que se dobrar para remunerar.

Uma vez que poucas gente entendem dentre economia e sistema financeiro, há ainda no sentido de facilidade dentre se assinar politicamente essa emissão a dívida, quando comparado essa um aumento desde impostos. Há ainda o plus retórico com colocar essa culpa nos “agiotas estrangeiros” quando as coisas vão erradamente…

Já aquele que empresta no sentido de um governo sabe dos riscos que corre. Sabe que está lidando com uma entidade que pode legislar em justificação própria e que não fará bom uso dos recursos que está captando. É um tipo com jogo onde não há coitadinhos e ingênuos.

Sendo o estado uma entidade pautada no interior de uso da violência e que se financia com forma violenta e fraudulenta (impostos e inflação), na direção de moratória é eticamente superior ao pagamento dentre juros em saudação ao pagador com impostos, que pode agora dispor sô fardo abrandecido [1].

Outrossim, uma moratória tem o efeito positivo com expulsar o governo em questão do mercado dentre dívida através de um bom tempo, o que impede que recursos sejam destinados ao similar para serem desperdiçados em atividades sem fundamento econômico.

Quanto àqueles que acreditam que o estado deva controlar recursos e prestar uma miríada a serviços, há unicamente duas opções: proteger déficit zero e aumento desde impostos ou inflação para patrocinar na direção de máquina; ou depender do humor daqueles que estão dispostos no sentido de negociar com malandros que podem dirigir-se no sentido de praticar em direção a pindureta.

Quando Belluzzo concorda com os austro-libertários

Ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda e professor titular do Instituto de Economia da Unicamp, Luiz Gonzaga Beluzzo (Reprodução)

Ex-secretário a Política Econômica do Ministério da Herdade e professor titular do Instituto desde Economia da Unicamp, Luiz Gonzaga Beluzzo (Reprodução)

Em item tenro para o Vulto Econômico, Luiz Gonzaga Belluzzo acabou entre concordar com os economistas Austríacos – parecido que até vias tortas.

Valido em Focault, o similar diga que “o neoliberalismo é uma ‘prática com governo’ na sociedade contemporânea. O credo neoliberal não pretende suprimir na direção de ação do Estado, mas, sim, ‘introduzir no sentido de regulação do mercado uma vez que princípio regulador da sociedade’”.

Belluzzo/Focault está patente. As reformas dos anos 90, chamadas dentre neoliberais, definitivamente não coadunam com os princípios do liberalismo clássico nem do moderno libertarianismo, que não versa a respeito de agências reguladoras, planos econômicos, bancos centrais nem subserviência à corrupta escol financeira.

Dentre roupa, na direção de bela recordações sobre a vida desde Mises, escrita através de Jorg Guido Hulssmann, mostra uma vez que no sentido de ideologia neoliberal foi uma espécie dentre recuo da resguardo do liberalismo clássico para uma resguardo com um intervencionismo moderado. Mostra, de preferência, toda no sentido de guerra que Mises travou ao longo desde sua curso em oposição a essa recuo.

Caso houvesse uma novidade moratória argentina, devotar-se-se-ia com uma boa punição para todo mundo: aos governos irresponsáveis que sofrerão na mão do mercado financeiro da próxima vez que quiserem fruir recursos em mãos; e aos financistas irresponsáveis que emprestaram verba em direção a isto entidade notoriamente pouco confiável.

E também àquela parcela dos cidadãos que defende o acúmulo com dívida pública – acreditando que conseguirão lucrar sua secção.

[1] Não queremos discutir cá questões técnicas (que são importantes), uma vez que, citando caso análogo, o obscuridade temporário em o sistema financeiro que em direção a moratória dentre uma dívida pública gera. Somente porquê exemplo, as operações financeiras do que limitado prazo mais comuns, as operações compromissadas (repo), utilizam títulos públicos porquê garantia. Até que o crédito passe no sentido de ser talhado ao setor privado e que o mercado substitua o lastro obrigatório das operações, haverá turbulência.

Rafael Hotz Arroyo é economista formado pela Unicamp e protector do livre mercado. Trabalha em o mercado financeiro, junto de seção dentre securitização

Liberzone

Editado através de Epoch Times

O teor desta material não representa absolutamente em direção a posição do Epoch Times

Deixe uma resposta