Uma estudo em cima de o neoliberalismo

0
24

Toda vez que vejo um acadêmico usando o termo neoliberalismo para explorar qualquer coisa confesso sentir um grande incorretamente-estar. Dificilmente ele consegue chegar essa uma definição exata do que isso significa sem recorrer para suas afinidades políticas, econômicas ou particularismos. Grátis em direção a insignificância do concepção, o governo Lula é tão neoliberal quanto não neoliberal.

Neoliberalismo simplesmente não funciona porquê categoria com analise. Não é uma questão desde sabor, mas desde um termo que é usado e definido sem rigor, caracterizando mais um sentimento político desde que rejeita com destino a economia com mercado do que uma fluente do que pensamento ou um conjunto desde políticas públicas.

O neoliberalismo ocasionalmente é tomado porquê um momento histórico (governos na América Latina na dez desde 1990), um texto fundador (o chamado Consenso do que Washington) ou políticas econômicas emanadas ao longo de instituições porquê Banco Global e FMI. Pior ainda, pode ser definido uma vez que qualquer medida liberal (uma vez que privatização, redução dentre impostos e controle a déficit governamental) feita em governos contemporâneos. Em casos extremos, já vi referências ao governo a Porfírio Diaz (1876-1911), em o México, porquê neoliberal.

Analisemos algumas dessas supostas definições.

O governo Collor é considerado um dos marcos do neoliberalismo dentro de Sapão e na América Latina. Foi isso governo que iniciou na direção de (ainda tímida) buraco econômica dentro de Pau-brasil. Entretanto, foi o parecido governo que confiscou com destino a poupança e no sentido de conta manante dos brasileiros, o mais longe da heterodoxia intervencionista que os economistas brasileiros foram capazes. Collor não tinha zero desde liberal convicto — em Notícias do Planalto, Mário Sérgio Conti relata porquê Collor tomou emprestado do que José Guilherme Merquior um rótulo desde “socialista liberal” só para não permanecer sem um pouco para se definir. Na página 336, Conti relata o seguinte diálogo entre Collor e José Guilherme Merquior:

— Legado, preciso com uma apoio ideológica. Falam que eu sou desde direita, e para mim no sentido de direita é o Delfim Netto e o Roberto Campos. O proprietário me vê uma vez que político dentre direita?

— Não. O vejo porquê um socialista liberal.

— Mas não há uma incoerência entre o socialismo e o liberalismo?

— Não. O Norberto Bobbio usa e defende essa classificação — disse o diplomata, apoiando-se nas teorias do investigador político ítalo.

É com essa “fé” que tratam Collor uma vez que o marco inicial do neoliberalismo junto de Sapão. Porquê menino rico, Collor via que os carros brasileiros eram carroças e podia palpitar que mais nepotismo não iria melhorar no sentido de escora industrial verdadeiro, mas Collor não tinha formação intelectual sólida nem convicções liberais. Tanto que, ao confiscar na direção de poupança, quase matou do coração Roberto Campos, uma vez que relata o periodista e ex-assessor do senador pelo Rio desde Janeiro, Olavo Estalo, no interior de livro ‘Roberto Campos — um retrato pouco falado’ (2002). Já diversos socialistas brasileiros foram gratos na direção de Collor entre autoridade finalmente comprar um Lada…

Sem persuasão liberal, Collor apoiou um projecto econômico que tempo um brutal apreensão à propriedade privada porque achava que tempo essa projéctil que ia eliminar com destino a inflação. Suas medidas liberalizantes também podem ser lidas outrossim, mais pelo fracasso e esgotamento do macróbio padrão dentre muda com importações do que até um vendaval liberal.

Precisamente com destino a privatização brasileira foi feita a datar de o final dos anos 1970 mais até pragmatismo do que sobre ideologia. Um bom histórico acerca de o tema encontra-se em ‘Privatização sobre Pau-brasil: Na condição de quê? Até onde? Até quando?’, dentre Armando Castelar Pinho, para que tanto no sentido de estatização no interior de Arabutã quanto para privatização se deu mais sobre pragmatismo do que até ventos ideológicos.

O tal Consenso desde Washington tem sua origem num texto do economista John Williamson, ‘What Washington Means by Policy Reform’. Escrito junto de ano 1990, buscava sintetizar o que os países da América Latina deveriam empreender dentro dos pacotes desde reformas estruturantes para mourejar com na direção de região, que ainda não havia se encontrado em seguida essa dezena prostituta. Estão lá 10 tópicos bastante pragmáticos dentre porquê colocar para lar em ordem e obter propagação dentre longo prazo, uma vez que controlar o déficit público, alocar melhor subsídios, redução (e não eliminação) do filhotismo. Mas também investir mais em instrução e saúde para os mais pobres, em infraestrutura para sustentar o prolongamento, e possuir uma taxa desde câmbio irresoluto e “competitiva” do que forma no sentido de incentivar as exportações. E é dito e repetido que com destino a Argentina foi em direção a aluna mais aplicada do “Consenso dentre Washington” na dezena do que 90. Mas uma vez que é provável mostrar para o país do “comissão monetário” (currency board) e dos déficits incontroláveis das províncias e expor que ela aplicou “fielmente” as “lições” do “Consenso dentre Washington?” Só análogo na fantasia dos que acreditam em “neoliberalismo”.

Qual confrontar o que já ouviu falar do tal dentre “Consenso dentre Washington” e o que com indumentária está escrito em o texto do que Williamson leva possuir muitas surpresas. O economista chega em direção a declarar fruir dúvidas em cima de os benefícios da privatização. “Minha visão pessoal é em direção a dentre que com destino a privatização pode ser diferente construtiva quando corolário em aumento da competição, e diferente benéfica quando alivia pressões fiscais, mas eu não estou persuadido a que o serviço público é continuamente subalterno à concupiscência privada porquê força motivadora.” E refere-se setores porquê transporte público e distribuição desde chuva porquê áreas na qual pode ser mais vantajosa em direção a operação estatal.

Se através a políticas macroeconômicas para difícil caracterizar um país uma vez que neoliberal, na política social tão-pouco. Vejamos o caso do Bolsa-Escola e as demais bolsas criadas em cima de governo FHC, depois chamadas conjuntamente do que Rede a Proteção Social. Eram chamados antes uma vez que política neoliberal pela oposição petista. No sentido de risca com argumentação é desde que se tratava desde um pacote desde políticas assistencialistas, que em vez dentre modificar em direção a estrutura econômica e na direção de participação da renda dos recursos humanos na sociedade numulário, somente redistribuía segmento dos recursos para número reduzido de, então aliviando em direção a pobreza e mitigando no sentido de mobilização para mudanças desde verdade. Havia ainda outra risco, que classificava a humanidade os programas a distribuição do que renda com foco nos mais pobres uma vez que neoliberais, uma vez que pretendiam substituir as ações universalistas dentre um gigante estado do que muito-estar social. Aí o Bolsa Escola vira Bolsa Família, sobre governo Lula, e programas semelhantes começam na direção de pipocar na América Latina “bolivariana”, uma vez que o “Bônus Juancito Pinto” dentre Século Morales, na Bolívia. Perpetuidade, adotando política social neoliberal?

Conheço muitos intelectuais que defendem o liberalismo político e econômico e eles podem divergir em vários pontos. Usualmente, quando perguntado ao longo de qual fluente se identificariam, podem expor um tanto porquê “austríaco”, “monetarista”, ou similar social-democrata ou terceira-via. Nenhum deles se identifica uma vez que “neoliberal”, um rótulo usado pela esquerda que foi preenchido com tudo o que isto tendência política não gosta.

E governo Lula manteve para estrutura econômica do governo anterior, o “neoliberal”, mas simples que petistas rejeitam essa tipo dentre rótulo. Mas essa esquerda da esquerda, o PSOL ou PSTU, continuaram repetindo que o PT traiu os ideias dos mão de obra e governaram com os grandes banqueiros e o neoliberalismo. Quer dizer: neoliberalismo é um tanto que serve para palanques e panfletos políticos, não é uma categoria desde estudo. Pena que farto acadêmicos, não só em cima de Sapão, não queiram contemplar isso, o que provoca enorme dano em direção a discussão séria dentre princípios. O que começa nos palanques parte sendo repetido porquê verdade em artigos e livros acadêmicos, criando grupos a picaretas (que sabem que o termo é vazio e só serve para guerrear adversários) e desavisados. Deste modo, o governo Dilma que nem começou poderá ser visto porquê neoliberal ou porquê não neoliberal, com destino a depender do sabor dentre que use para vocábulo.

Renato Lima, diarista, é rabi em Estudos da América Latina (University of Illinois at Urbana-Champaign) e doutorando em ciência política (MIT).

Essa item foi originalmente publicado pelo sítio Ordem Livre

Deixe uma resposta