Vasculite

    0
    39

    O que é vasculite?

    São inflamações dos vasos sanguíneos. Todos os órgãos do corpo humano são supridos com sangue através dos vasos. Os vasos que levam o sangue do coração até os órgãos são as artérias. Já os que levam o sangue do corpo para o coração são as veias. Os capilares são os vasos que fazem a conexão entre as veias e as artérias.

    Quando algo provoca a inflamação destes vasos diz-se haver uma vasculite. Nestas situações há um estreitamento ou fechamento do caminho do sangue devido à invasão de células do sistema imunológico. As vasculites são diversas assim como suas causas. Basicamente podemos dividi-las em primárias e secundárias.

    As vasculites primárias são raras e as causas pouco conhecidas. O ataque é direto ao vaso sanguíneo e é o tamanho do mesmo que classifica a espécie em questão. Já as secundárias são complicações provenientes de outras doenças ou devido ao uso de drogas por exemplo.

    Algumas das vasculites mais diagnosticadas são a doença de behcet a doença de buerger a vasculite do sistema nervoso central a síndrome de churg strauss a crioglobulinemia a arterite de células gigantes a púrpura de henoch-shönlein a vasculite de hipersensibilidade a doença de kawasaki a poliangeite microscópica a poliartrite nodosa a polimialgia reumática a artrite de takayasu e a vasculite granulomatosa de wegener.

    vasculite

    Agente causador

    As vasculites primárias são raras e as causas pouco conhecidas. Quando ocorrem o vaso é o principal alvo sendo classificadas de acordo com a espessura do local acometido podendo ser do tipo pequena média ou grande.

    Na maioria dos casos é algum defeito autoimune que leva à vasculite secundária. Estas costumam ser provocadas pelo uso de medicamentos outras doenças como lúpus ou artrite reumatoide infecções e AIDS. A sífilis e a hepatite C também são fatores considerados no diagnóstico de vasculites.

    Como se descobre a doença (diagnóstico)

    É através do histórico do paciente e de uma cuidadosa análise clínica que o médico começa a suspeitar de vasculite. Um exame físico é uma das primeiras medidas e já possibilita que o profissional imagine o tipo de enfermidade. Para identificar o tamanho dos danos e o vaso acometido pode ser preciso por outro lado uma série de exames específicos. Certas doenças precisam ser excluídas durante o diagnóstico diferencial. Para tanto pode-se fazer uso de exames de sangue com pesquisa de marcadores.

    Uma radiografia de tórax auxilia na análise do estado do pulmão assim como a creatina pode ajudar no estudo das condições dos rins. O exame que garante maior eficácia de diagnóstico é no entanto a biópsia. Esta pode ser da pele do rim do pulmão ou de qualquer local em que haja suspeita de agressão.

    Após chegar à certeza do tipo de vasculite e do lugar acometido deve-se dar início imediato ao tratamento. Quanto antes este tiver início melhores serão os resultados. As que atingem a pele costumam ter melhoras significativas rapidamente. Já as sistêmicas ou seja as que atingem órgão internos necessitam de um tratamento mais agressivo e podem causar maiores transtornos.

    Sintomas

    As manifestações clínicas dependem do local acometido e do tamanho do vaso atingido. Alguns sintomas são entretanto gerais para a maioria das vasculites. Podemos destacar por exemplo:

    Quando os vasos das mãos são acometidos há ocorrência de necrose dos dedos. Por outro lado quando vasos que irrigam órgãos são atacados podem ocorrer hemorragias e insuficiências. Caso a inflamação seja na pele lesões variadas chamadas de púrpura começam a aparecer devido ao sangramento de tecido subcutâneo. Quando ataca os nervos periféricos as dores são intensas e perde-se a sensibilidade em alguns membros.

    Diante destes sinais não hesite em procurar por ajuda. Vasculites em órgãos internos são graves e podem facilmente levar ao óbito. É preciso um diagnóstico precoce para que as complicações não sejam severas e para que o prognóstico seja positivo.

    vasculites

    Prevenção

    Muitas drogas e medicamentos diversos podem acabar levando a um quadro de vasculite portanto manter hábitos de vida saudáveis é fundamental. Caso faça uso constante de fármacos esteja sempre em dia com os exames de rotina para que quaisquer disfunções possam ser precocemente diagnosticadas.

    Uma alimentação balanceada e hábitos corretos de higiene também ajudam na prevenção não somente desta como de uma série de outras doenças. Sempre que qualquer sinal estranho apareça no corpo é imprescindível que se busque pela ajuda de um profissional pois somente ele saberá definir a melhor abordagem para cada caso.

    Nunca realize automedicações já que o uso incorreto de medicamentos pode agravar ainda mais uma situação e mascarar outras enfermidades. Realize exames de rotina e consulte um médico periodicamente desta forma seu organismo estará bem monitorado e doenças poderão ser precocemente diagnosticadas.

    Tratamento

    A presença ou não de uma causa influi muito na definição do tratamento. Vasculites provocadas por drogas ou pelo uso de certos fármacos podem ser controladas apenas pela supressão das substâncias agressivas. Corticoides são geralmente utilizados em vasculites mais graves ou preocupantes.

    As que acometem órgãos internos merecem ainda mais atenção já que os danos podem ser consideráveis em pouco tempo. Doses elevadas de imunosupressores são aplicadas e os sintomas amenizados através de outros compostos. Em últimas circunstâncias faz-se uma plasmaférese ou seja remove-se alguns elementos do plasma a fim de normalizar a situação. Este é um método bastante parecido com a hemodiálise onde se é capaz de retirar substâncias que estejam provocando disfunções no organismo. É entretanto um procedimento invasivo e que traz consigo uma série de complicações.

    Diante de qualquer sinal estranho que o corpo esteja enviando não hesite em procurar por ajuda. Muitas doenças possuem um prognóstico positivo quando detectadas precocemente. A vasculite pode adquirir sérios contornos ao atingir órgãos internos portanto nunca desconsidere uma ida ao médico. Exames de rotina mantém o corpo monitorado e devem ser feitos com frequência. Nunca realize auto-medicações pois somente um profissional pode avaliar corretamente cada caso e indicar a melhor abordagem. Cuide bem da sua saúde consulte um médico periodicamente.

    Compartilhar
    Artigo anteriorEspermograma
    Próximo artigoCâncer de colo de útero

    Deixe uma resposta