Você gosta a remunerar imposto?Epoch Times em Lusitânico

0
27

Comodamente emérito detrás dentre uma seteira, prossigo minha palpação, percussão e ausculta meticulosas do mundo que me rodeia. Caro estetoscópio social vem diagnosticando roncos e sibilos da mais subida seriedade, sugerindo mostrar para tumores específicos minhas setas terapêuticas semanais, com vaga inspiração nas Viagens a Gulliver e ao ritmo com Ridendo castigat mores.

Tendo indicado num primeiro parágrafo minha idade, profissão, objetivos, fontes do que inspiração, estilo, periodicidade, este minha autoapresentação requer do prezado lente, uma vez que forma com cortesia, declarar Sr. grande prazer em saber-me; e do que mim, retribuir junto de parecido tom.

Dito isto e atitude aquilo, desenvolvimento com destino a espetar caro intuito dentre hoje, não sem antes comunicar que alguma das minhas setas pode atingir você. Não se preocupe, pois podemos caminhar em sintonia com meus 26 leitores… quando os alvos forem os restantes.

Início entre fazer-lhe uma pergunta incômoda: Você gosta desde remunerar imposto?

Eu também não. E vou narrar-lhe uma curiosidade que encontrei na minha atividade observacional. Examine com atenção o um que usei, e compare-o com o diversificado: imposto e impostos. Notou alguma diferença? Não me refiro ao traje desde o um indicar um só, e o múltiplo referir-se na direção de mais dentre um. Uma diferença mais sutil é que, quando digo imposto, estaca evidente que resultou com imposição, foi impingido em combate a minha vontade e meus interesses; sobre múltiplo, com destino a imposição torna-se excessivo diluída.

Parece que o variado, em cima de caso, é um artifício do que marketing governamental, pois abundantes impostinhos não incomodam, ao passada que um impostão motivo um tumulto daqueles… Porquê os 20% da Inconfidência Mineira (o quinto), que idade um só, e muito grandinho. Hoje pagamos o duplo disso; porém, uma vez que está dividido em mais desde 50 impostinhos, nós espoliados não estamos nem aí… Prosseguimos trabalhando 5 meses do ano para pagá-los, e nem parece imposto, imposição.

Com destino a propósito, mais uma pergunta incômoda: Você sabe qual impôs tudo isso?

Se pretende responder com um só nome, desista. É também perda desde tempo procurar os responsáveis através de mais a 50 impostos. Nenhum espécime do plantel político assume essa culpa desse confiscação, mas todo mundo nadam a braçada com relação a ele. Essa nós compete exclusivamente pagá-lo, sob pena do que multas e outras pessoas aborrecimentos… impostos.

Essa diluição diafanizadora, manipulada pelo marketing, torna cômodo descarregar em o governo nossa contrariedade com isso arresto e com sua má emprego; pois governo é uma entidade comum, camuflada, acobertada, inatingível.

Faço-lhe mais uma pergunta incômoda: Com que poder o governo faz isso sequestro e essa emprego arbitrária?

Por resposta é muito mais incômoda: Com na direção de poder que você e eu lhe demos.

É isso parecido, e nem tente disfarçar. Do que convenção com na direção de ficção nos quais se baseia para democratismo representativa, o conseguir vem do povo, e o povo o delega aos seus representantes. Assim, você e eu elegemos qual deve resolver as coisas em nosso nome. Renunciamos ingenuamente às nossas responsabilidades, ao responsabilidade desde zelar pelo nosso patrimônio, e os confiamos com destino a mais que nem conhecemos. Zero impede que usem e abusem do que é nosso, não temos nem o recta desde reclamar.

Dando uma olhada na História, vemos que nem incessantemente foi assim. Os mandatários cobram imposto a partir de tempos imemoriais, confirmando que morte e imposto são coisas inevitáveis nele mundo. Muitas pessoas mandatários nomeavam cobradores a impostos com remuneração proporcional ao que arrecadassem. Para lucrar mais, estes exageravam e extorquiam, daí sua péssima reputação.

Qual o nome desses cobradores com impostos? Sim, isso igual: impostores. O substantivo impostor transformou-se em adjetivo desfavorável, para nomear larápio agindo arbitrariamente em nome dentre outro.

Será que as coisas hoje são diferentes? Você se considera muito gasto pelos representantes que foi obrigado (isso também foi imposto) para escolher? Em outras pessoas termos: Eles fazem o que você gostar de que fizessem? Examine muito, e não tenha temor a concluir que somos governados através de um regime dentre impostores.

Jacinto Flecha é colaborador da ABIM

Essa teor foi originalmente publicado dentro de portal da Dependência Boa Prensa (Abim)

Deixe uma resposta