Yolanda Lobo: “Agora falta-me o maior luxo de todos: Ter tempo! “

0
45

Retratos Contados: Este ano (2015) nasceu a sua 1ª neta, a Matilde. Descreva-nos o que sentiu quando soube que a sua filha Inês estava grávida.

Yolanda Lobo: Soube que a minha filha estava grávida quando a vi chegar a minha casa para jantar. Os olhos tinham um brilho especial, o sorriso estava ainda mais doce… Senti e adivinhei mais esta etapa como todas as outras ao longo da sua vida. Os amores, as aflições, os desgostos, as alegrias… Mas calei-me com medo de me precipitar e porque queria que fosse ela a dar-me a notícia. Passado um pouco colocam-me uma caixinha linda ao colo e lá dentro um par de botinhas brancas… Desatei num pranto de emoção, alegria, amor, incredulidade e muita, mas muita felicidade. Fiquei orgulhosa e feliz por saber que a minha filha Inês iria, também, passar por aquele maravilhoso milagre do parto, pela doçura da maternidade, pelo prazer infinito de ter o seu bebé no colo, beijar os seus pezinhos, vê-lo dormir, cheirá-lo, vê-lo sorrir só para ela…

Fiquei imensamente grata por este momento da minha vida.

RC: Como viveu o tempo de gravidez da Inês? Viveu este tempo de forma serena ou com alguma ansiedade?

Yolanda Lobo: Serena, muito serena. A Inês é muito calma, muito sensata e cuidadosa com tudo. Por isso fui-lhe dando o apoio necessário mas mantendo-me, como sempre, um passinho atrás, para que os dois tivessem a sua privacidade e o prazer de gozarem cada momento a sós. O tempo de gravidez foi passado num ápice! Em menos de nada estava no fim, para minha total aflição pois mal tinha tido tempo de conciliar a minha vida profissional com os preparativos que queria ter feito com toda a serenidade. A decoração do quarto, do berço, as primeiras roupas e agasalhos. Já tinha separado todas as roupinhas da Inês que agora ficaram para a Matilde mas faltava-me os detalhes do quartinho que só agora acabei. As cortinas, o dossel, o fraldário, a cor das paredes, a barra de papel com ursinhos, o cadeirão para amamentar, tudo pensado ao pormenor.

RC: É daquelas avós que faz botinhas e casaquinhos de lã?

Yolanda Lobo: Se sou! Já fiz gorros, botinhas, mantas e estou a fazer agora um macacão com o casaquinho. Adoro e enche-me de paz. Tenho um berço em minha casa só para ela, com todos os pormenores também. Em verga, antigo, em cinzento clarinho, da Formiga Vintage. Um amor!

RC: Viaja imenso em trabalho. Conseguiu resistir às montras das lojas de artigos de bebé por onde foi passando?

Yolanda Lobo: Qual quê! Enche-me de prazer comprar para os meus filhos. Sempre assim foi. E quando passo e vejo alguma coisa útil e bonita é difícil resistir. Não comprei demasiado pois as roupinhas da Inês estavam em muito bom estado, mas juntei alguns mimos especiais.

Ver artigo completo

Deixe uma resposta