COLITE | Sintomas causas e tratamento

0
232
 O que é colite?

É uma condição inflamatória presente em enfermidades como a retocolite ulcerativa inespecífica. Esta inflamação acomete uma ou mais camadas do cólon e provoca disfunções no funcionamento do intestino. A maior porção do intestino grosso é chamada de colón sendo esta a responsável por absorver a água das fezes.

Dentre as doenças inflamatórias intestinais podemos também destacar a doença de Crohn que possui etiologia ainda não definida. Muitas enfermidades que acometem o intestino grosso não possuem até hoje as causas muito bem determinadas entretanto a sintomatologia geralmente envolve inflamação e cólicas abdominais.

Quando a mucosa do intestino grosso é agredida diz-se haver uma colite. Esta dá origem a sintomas como desidratação e diarreia. Doenças primárias irritações devido ao uso de fármacos bactérias ulcerações e vírus são alguns dos fatores que podem levar a esta condição.

O sucesso do tratamento varia de acordo com a causa e com a extensão do problema. Uma dieta branda deverá ser mantida até que os sintomas sejam amenizados e o motivo controlado. Em casos mais graves até mesmo uma cirurgia para retirada do intestino grosso pode ser considerada.

Agente causador

Algumas colites não possuem ainda a causa bem definida. Conforme mencionado acima muitos fatores influem para esta condição. Uma irritação devido ao uso de medicamentos pode levar à inflamação local assim como presença de vírus e bactérias no intestino grosso. Doenças primárias e ulcerações também são situações consideráveis.

Qualquer alteração no funcionamento do intestino grosso que seja causada por inflamação pode ser considerada uma colite. Portanto muitos motivos estão ligados a este problema. O pico de ocorrência das enfermidades que levam à colite está entre os 15 e 35 anos de idade. Acredita-se que há uma base hereditária e que fatores ambientais como o estresse deixam certas pessoas em um grupo de risco.

Como se descobre a doença (diagnóstico)

Uma das primeiras manifestações da retocolite ulcerativa inespecífica é diarreia com sangue. Cólicas febre e perda de peso vêm logo em sequência. A doença de Crohn por exemplo produz lesões na boca. Apesar dos sintomas serem distintos em algumas situações a grande parte das doenças inflamatórias intestinais provoca alterações que logo levam uma pessoa a procurar por ajuda médica.

Estabelecer um diagnóstico diferencial entre as várias causas da colite pode ser um pouco complicado. O profissional costuma pedir um exame de fezes para avaliar a presença de agentes infecciosos. Caso o resultado seja negativo é provável que ele solicite uma endoscopia em busca de lesões ou secreções que pudessem estar levando à condição inflamatória. Apesar de um simples exame de raio-x poder identificar dilatações no intestino a endoscopia é um dos procedimentos mais eficientes pois caso haja necessidade uma biópsia pode ser feita durante o exame. As endoscopias não costumam causar dores e uma leve sedação pode ser aplicada para evitar desconfortos.

Exames de sangue têm ajudado na diferenciação de algumas causas de colite. Uma conversa com o paciente para investigar hábitos e o histórico familiar também pode trazer resultados bastante satisfatórios.

Sintomas

Dependendo da causa a colite provoca sintomas variados. Muitos sinais dependem da extensão do problema e do local acometido. A colite ulcerosa por exemplo gera febre alta diarreia desidratação dores abdominais e flatulência. Já a doença de Crohn pode provocar obstrução intestinal e formação de fístulas em partes do intestino grosso. A colite hemorrágica costuma causar diarreia aquosa com presença de sangue levando à desidratação e até mesmo à anemia.

Por outro lado pode também ocorrer paralisação do funcionamento do intestino devido à interrupção dos movimentos no local em um caso de colite que envolva toda a espessura da parede do órgão. Portanto para definir os sintomas de uma colite é preciso previamente estabelecer-se a espécie com a qual estamos lidando. De qualquer forma o importante é buscar por ajuda diante de qualquer sinal que seu corpo possa estar enviando. Quanto antes um tratamento tiver início melhores serão os resultados.

Prevenção

A prevenção da colite depende muito da causa. Entretanto algumas medidas gerais podem ser tomadas para evitar a maioria delas. Recomenda-se:

  • Manter o sistema digestivo em boas condições. Para tanto estabeleça o hábito de ingerir diariamente frutas legumes grãos integrais e verduras;
  • Beba muita água todos os dias;
  • Gorduras animais e produtos lácteos devem ser consumidos com moderação já que irritam o trato digestivo. Tabaco café e refrigerantes são outras substâncias que podem acabar levando a quadros de colite;
  • Pratique esportes ou faça atividades que ajudem a reduzir a ansiedade e os níveis de estresse pois estes sentimentos promovem ulcerações na mucosa do intestino;
  • Adquira o hábito de ingerir chás tranquilizantes. Caso seja preciso recorra a calmantes naturais;
  • Mantenha bons hábitos de higiene. Não leve as mãos sujas à boca não coma em locais que pareçam sujos e lave sempre muito bem os utensílios compartilhados. Uma variedade de parasitas e bactérias pode provocar colite.

Tratamento

Inicialmente os sintomas mais agudos da doença serão tratados. Para isto fármacos diversos podem ser prescritos e utilizados via oral ou retal. Casos de colites infecciosas costumam ser controlados com antibióticos ou antiparasitários. O paciente também será
orientado a beber muito líquido e a manter uma dieta leve.

Quando o controle clínico não é o suficiente uma cirurgia para retirada do intestino grosso é considerada. Esta apresenta riscos e desvantagens porém é necessária em casos mais graves e que tenham ligação com câncer.

Muitas colites levam a quadros agudos de anemia e precisam ser tratadas com emergência. Estas pessoas necessitam ficar sob cuidado médico até que o organismo esteja recuperado e a causa exterminada. Colites que não forem tratadas podem levar a perfurações na parede intestinal sangramentos e câncer de cólon por exemplo. Portanto é preciso ficar atento aos riscos e quando o diagnóstico for confirmado seguir à risca as orientações médicas.

É imprescindível não realizar automedicações já que o uso indevido de fármacos pode agravar ainda mais o problema. Diante de sintomas consulte um médico. Somente ele estará apto para avaliar cada caso e indicar as melhores alternativas de tratamento.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here